Obama ainda não planejou ligação para Michel Temer, diz Casa Branca

Através de porta-voz, Estados Unidos reforçam crença nas instituições brasileiras para resistir a esse momento de turbulência

Altamiro Silva Junior e Cláudia Trevisan, O Estado de S.Paulo

12 de maio de 2016 | 16h08

NOVA YORK E WASHINGTON - Ainda não há planos para o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, telefonar para Michel Temer, que assumiu nesta quinta-feira, 12, como presidente em exercício do Brasil, afirmou o porta-voz da Casa Branca a jornalistas na tarde desta quinta-feira. Segundo Josh Earnest, os americanos continuam a ter confiança de que o governo brasileiro vá seguir as leis e tradições estabelecidas para manejar a travessia desse caminho de desafios.

"Os Estados Unidos estão com o Brasil, mesmo nestes momentos desafiadores", afirmou Earnest, na entrevista diária a jornalistas. Ele ressaltou que Obama visitou o Brasil logo em seu primeiro mandato e aproveitou a oportunidade para falar positivamente sobre a importância da relação entre as duas economias, questão que foi reforçada em 2015 quando Dilma Rousseff visitou a Casa Branca.

A expectativa da Casa Branca, segundo o porta-voz, é que as instituições do governo brasileiro sejam suficientemente maduras e sólidas para resistir ao momento de turbulência política que o País está enfrentando. Nesta quarta-feira, 11, na entrevista, Earnest havia feito comentário semelhante, com o governo Obama mantendo o tom de cautela ao falar do momento turbulento da política brasileira.

Perguntado nesta quinta-feira se o presidente Obama planeja telefonar para Temer, Earnest disse que não sabia até o momento de planos para uma ligação, mas que se ocorresse um telefonema, a informação seria divulgada. O porta-voz ressaltou em seguida que o governo dos EUA tendem a respeitar as instituições, tradições e procedimentos que o governo brasileiro segue para administrar o País.

Em uma entrevista à imprensa separada, a porta-voz do Departamento de Estado dos EUA, Elizabeth Trudeau, disse que os dois países mantêm uma "forte relação bilateral" e são parceiros comprometidos. "Nós cooperamos com o Brasil em várias questões, como comércio e meio ambiente e esperamos que isso continue."

Olimpíada. O porta-voz da Casa Branca também falou sobre a expectativa para as Olimpíada do Rio, dizendo que o mundo está torcendo para o Brasil ser bem-sucedido em sediar as competições e que os EUA pretendem apoiar os jogos, inclusive para que ocorram em segurança. "Nós estamos torcendo para o Brasil ser bem-sucedido até que ocorram as verdadeiras competições, nas quais vamos torcer para os americanos", disse ele.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.