OAB vai mudar a carteira de advogado

Depois de mais de 70 anos, a carteira e o cartão de identificação dos advogados brasileiros vão mudar. "Os documentos atuais podem ser facilmente falsificados", diz o presidente do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Rubens Approbato.Agora, o cartãozinho de papel e plástico será substituído por outro com código de barras e informações digitalizadas. A carteira, produzida pela Casa da Moeda, será ainda mais segura que o passaporte brasileiro.Todos os advogados do País têm de hoje ao dia 31 de dezembro de 2002 para cadastrar-se pela Internet e procurar a sua seccional da OAB. O custo é de R$ 35. Depois da data limite, as carteiras e cartões atuais perdem a validade.CadastroSegundo Approbato, os novos documentos vão também permitir que se faça um cadastro atualizado para facilitar a fiscalização do exercício profissional."Isso vai ajudar São Paulo a saber ao certo quantos advogados existem aqui", disse o presidente da OAB-SP, Carlos Miguel Aidar. O número aproximado é 170 mil profissionais. De acordo com ele, há hoje 10 mil profissionais inativos no Estado que a Ordem não consegue localizar.Falsificação"Ao lado da sede da OAB, na Praça da Sé, há pontos de venda de carteiras", disse Approbato. Este ano, foram registrados, até setembro, 50 casos de exercício ilegal da profissão em São Paulo; no ano passado foram 107.Gener de Luna Bozzolo, por exemplo, montou um escritório em Mogi das Cruzes e apresentava uma carteira falsa da OAB da Paraíba aos seus clientes, até ser denunciado. Agora, as informações da vida profissional dos advogado de todo o País estarão digitalizadas e disponíveis para a Ordem.Outro caso aconteceu no próprio prédio da OAB. Antonio da Cruz Cerqueira apresentou uma carteira falsa para consultar um processo e foi preso. "Qualquer pessoa que tenha um scanner consegue reproduzir os documentos atuais", diz o chefe da Divisão de Comércio Interno da Casa da Moeda, Paulo Gonzaga.Código de barrasSegundo Approbato, hoje até juizes não têm como identificar um cartão falso. Já o código de barras do novo documento poderá ser lido em máquinas que devem ser instaladas nos tribunais. Assim, os juízes terão todos os dados do advogado, inclusive possíveis punições e restrições.Depois da renovação, a carteira antiga será devolvida ao profissional com um carimbo de documento histórico.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.