OAB-SP pede fim da greve do Judiciário

O presidente da Ordem dos Advogados do Brasil em São Paulo (OAB-SP), Carlos Miguel Aidar, divulgou hoje nota oficial aconselhando os funcionários do Judiciário a colocarem um fim à greve da categoria, que dura dois meses. "Durante a paralisação do Judiciário Paulista, iniciada no dia 27 de agosto, os servidores já demostraram sua força e poder de mobilização. Deveriam, agora, numa atitude de altivez, retomar espontaneamente ao trabalho", diz a nota.Segundo Aidar, o movimento causou "muitos transtornos aos cidadãos que possuem ações na Justiça". Ele quer agora que ocorra, antes das férias forenses, um mutirão em todos os cartórios e Fóruns para tentar atenuar os prejuízos aos jurisdicionados e aos advogados. "Tenho a firme convicção de que os impactos negativos da paralisação podem ser contornados, em prazo razoável, graças a operosidade dos serventuários e de seu senso de dever institucional e de cidadania", diz o documento. De acordo com o presidente, a volta ao trabalho seria uma trégua até 1° de fevereiro, quando começa novo ano Judiciário, com novo presidente à frente do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, "com uma nova administração e nova perspectiva para analisar as justas reivindicações dos servidores".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.