OAB quer que juiz analise todos os inquéritos da PF

Advogados justificam decisão porque acreditam em risco de abusos e descontroles

Fausto Macedo, de O Estado de S.Paulo,

03 de fevereiro de 2011 | 21h15

SÃO PAULO - A Ordem dos Advogados do Brasil em São Paulo ingressou com mandado de segurança contra a Resolução 63 do Conselho da Justiça Federal (CJF) que impõe tramitação direta dos inquéritos da Polícia Federal para a Procuradoria da República - os inquéritos só passam pelo crivo da Justiça nos pedidos de prisão, interceptação e outras providências cautelares. Advogados veem risco de abusos e descontroles.

 

"A resolução impede o livre exercício da defesa, que fica sem possibilidade de ter acesso aos autos dos inquéritos policiais", denuncia o advogado Antonio Ruiz Filho, presidente da Comissão de Direitos e Prerrogativas da OAB-SP. "O juiz não pode ser um mero espectador do inquérito, tem de avaliar se o inquérito está seguindo o caminho certo."

 

"A resolução é flagrantemente ilegal porque atrita com o Código de Processo Penal", assevera o criminalista Alberto Zacharias Toron. "O Conselho não poderia jamais dispor sobre matéria de competência legislativa e ainda mais contra lei expressa."

 

Os procuradores da República, no entanto, defendem enfaticamente a Resolução 63, criada para dar agilidade aos inquéritos. Em Ribeirão Preto (SP), procuradores monitoraram durante um ano mil inquéritos e apontaram causas e medidas de aprimoramento contra a morosidade. Concluíram que o modelo de tramitação de fato acelera os feitos. "A economia é enorme com a queda do custo burocrático. O tempo médio para cada pedido de prorrogação da investigação no inquérito foi reduzido de 45 dias para 19 dias", assinala o procurador Uendel Domingues Ugatti.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.