OAB pede intervenção em sanatório de Recife

A morte de mais um interno no Sanatório Recife, em Pernambuco, levou a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) a pedir intervenção do local pelo Ministério da Saúde. Na sexta-feira, Jamerson Ferreira de Almeida, de 30 anos, foi encontrado enforcado, o terceiro interno a morrer desta forma em um período de cinco meses. "Voltei de Recife completamente indignado. Eu não vi um hospital psiquiátrico, encontrei alí um verdadeiro depósito de seres humanos", afirmou o advogado Edísio Simões Souto, presidente da Comissão de Direitos Humanos da OAB.O Sanatório Recife passou por uma inspeção da OAB, a pedido do Conselho Federal de Psicologia, na sexta-feira, para investigar a morte de José Fernandes Xavier, de 52 anos, também encontrado enforcado em outubro do ano passado. "Não posso dizer que houve assassinato porque as investigações não foram concluídas, mas digo que há algo errado com o funcionamento deste hospital", afirmou Simões. "Fora as péssimas instalações, saímos de lá ainda mais preocupados com o fato de os pacientes estarem sendo encontrados mortos em circunstâncias idênticas."Segundo Simões, a direção do Sanatório Recife culpou a falta de recursos do Sistema Único de Saúde (SUS), que não permite nem mesmo a contratação de um enfermeiro para tratar no período noturno. "Se o hospital não tem condições de manter funcionários, deve ser descredenciado", afirmou Simões. A Ordem vai designar um advogado para acompanhar o andamento dos inquéritos sobre as mortes e dará assistência jurídica às famílias, para que entrem com ações na Justiça contra o Estado. Além das mortes de Jamerson e Xavier, uma menina de 14 anos, internada no setor de psiquiatria do Hospital Otávio de Freitas, foi morta por asfixia, e a polícia encontrou indícios de que ela tenha sido vítima de abuso sexual. No Hospital da Restauração, também em Recife, a enfermeira E.R.S., de 28 anos, acusou um PM de tê-la estuprado na sala de radiografias.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.