ANIELE NASCIMENTO/AGP
ANIELE NASCIMENTO/AGP

OAB no Paraná pode abrir investigação contra Figueiredo Basto

Entidade aguarda envio de documentos oficiais do MPF do Rio para, 'caso seja confirmada a acusação' de doleiros envolvidos no esquema de Dario Messer sobre recebimento de 'taxa de proteção', instaurar procedimento disciplinar contra o advogado

Ricardo Galhardo, O Estado de S.Paulo

22 Maio 2018 | 05h00

A Ordem dos Advogados do Brasil no Paraná (OAB-PR) aguarda o envio de documentos oficiais do Ministério Público Federal (MPF) do Rio de Janeiro para, “caso seja confirmada a acusação”, instaurar um procedimento disciplinar contra o advogado Antonio Figueiredo Basto.

O Estado revelou neste sábado, 19, que dois doleiros acusados de integrar o esquema de Dario Messer disseram em delações premiadas que entregaram mensalmente uma “taxa de proteção” a Figueiredo Basto.

+++Advogado de delatores é acusado de cobrar propina

O advogado é um dos maiores especialistas do Brasil em colaborações premiadas. Em 2004, ele intermediou o primeiro acordo do tipo entre o doleiro Alberto Youssef e o juiz federal Sergio Moro no caso Banestado. 

+++‘Contra boato não tem como se defender’, diz Figueiredo Basto

Em delações ao MPF-RJ, os doleiros Vinícius Claret, conhecido como Juca Bala, e Cláudio de Souza afirmaram que os integrantes do esquema de Messer pagaram US$ 50 mil por mês entre 2006 e 2013 a título de proteção contra o MPF e a Polícia Federal. O advogado nega as denúncias.

+++Lava Jato investiga 429 clientes do banco de Dario Messer

Em nota, a OAB-PR disse que “os fatos denunciados são muito graves” e que Figueiredo Basto terá amplo direito de defesa “evitando-se condenações sumárias e indevidas”.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.