OAB julga ex-advogado de Belo

O ex- advogado do pagodeiro Marcelo Pires Vieira, o Belo, Sylvio Guerra, começa a ser julgado amanhã, às 16 horas, pelo Tribunal de Ética da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), em sessão secreta. Ele é acusado de ter infringido o Estatuto da Advocacia e o Código de Ética do Advogado e, ao fim do processo, que tem duração máxima de três meses, pode até ser expulso da ordem, perdendo o direito de exercer a profissão. Outra punição possível é a suspensão por 360 dias. Na sessão de amanhã, o tribunal - formado por 45 conselheiros - pode determinar a suspensão preventiva de Guerra por 90 dias. O advogado simulou uma tentativa de extorsão por parte de autoridades para receber dinheiro do cantor.Em conversa telefônica gravada e divulgada à imprensa, Guerra pressiona o pagodeiro, então seu cliente, para que pague R$ 300 mil, que seriam repassados aos delegados Álvaro Lins, ex-chefe de Polícia Civil, e Ricardo Hallak, titular da Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas (Draco). O advogado chega a sugerir que Belo venda um de seus automóveis, um Audi, para conseguir o dinheiro. Após a publicação do conteúdo da conversa, Guerra disse ter inventado a história para que Belo pagasse seus honorários. Guerra está sendo processado pelos dois policiais. O pagodeiro está preso na Divisão Anti-Seqüestro (DAS), no Leblon, zona sul, acusado de associação para o tráfico de entorpecentes.Guerra, conhecido por ser advogado de artistas famosos, comparecerá à audiência especial acompanhado por 12 advogados que compõem sua assessoria. Ele foi notificado oficialmente para depor no dia 3. Hoje, Guerra disse ao Estado que manterá a explicação que deu quando a fita veio à tona. "É exatamente o que aconteceu", afirmou. Para o presidente da OAB-RJ, Octávio Gomes, Guerra feriu o estatuto e o código de ética. Ele disse que honorários devidos devem ser cobrados na Justiça.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.