OAB defende mudanças no financiamento de campanhas

Presidente da Ordem classificou a ação como a origem de escândalos como o mensalão

Eduardo Bresciani, de O Estado de S. Paulo

22 de novembro de 2012 | 17h30

BRASÍLIA - O presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Ophir Cavalcante, citou o processo do mensalão na posse do relator do caso, ministro Joaquim Barbosa, na presidência do Supremo Tribunal Federal (STF). Afirmou que a corte deve atacar a origem deste tipo de problemas, que seria o financiamento de campanhas.

"Outros escândalos certamente virão, com nova roupagem e mais sofisticados, se não se atacar origem de problema, o financiamento de campanhas", afirmou Ophir. Ele destacou que uma ação para impedir doações eleitorais por pessoas jurídicas aguarda decisão da corte. "A chave para abrir a porta da verdadeira reforma política está em vossas mãos".

Falando sobre o processo específico do mensalão, Ophir afirmou que a corte está combatendo a impunidade. "Ninguém está acima da lei. Igualdade existe, sim. Quem infringe a lei deve responder pelos seus atos", disse. Ophir afirmou ainda que o Judiciário precisa de uma reforma para melhorar o atendimento ao cidadão. Destacou que a morosidade e o excesso de processos em tramitação, em especial na primeira instância, geram as sensações de impunidade e injustiça. "Vive-se situação insustentável por se transformar a primeira instância em não Justiça".

Ele defendeu ainda a obrigatoriedade do exame da ordem para o exercício da profissão de advogado. "O advogado preparado é sinônimo de uma Justiça bem feita, portanto melhor", afirmou o presidente da OAB.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.