OAB critica proposta de criação da ´CPI do Lula"

A proposta de criação da chamada ´CPI do Lula´ foi criticada nesta sexta-feira pelo presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Roberto Busato, que atribuiu a apresentação do requerimento com 34 assinaturas no Senado ao "calendário eleitoral" e ao "jogo político-partidário", que "não tem limites éticos". "Abrir uma CPI nesse momento eu acredito que não vai trazer resultados positivos, a não ser aumentar o clima político eleitoral", disse o presidente da OAB, que participou, em Diamantina (MG), da solenidade do Dia de Tiradentes, onde foi agraciado com Grande Medalha da Inconfidência. O destino da comissão parlamentar será analisado na próxima terça-feira pelo presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL). O requerimento com as assinaturas foi apresentado pelo senador Almeida Lima (PMDB-SE) e está focalizado em fatos que envolvem a família do presidente e suas relações com Paulo Okamotto, presidente do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae).Busato comparou a atual crise política a uma caixa de lenços de papel - "Você puxa um, aparece o segundo, tira o segundo, aparece o terceiro..." - e disse que a sociedade civil chegou ao "limite da paciência e da tolerância"."O calendário eleitoral complica tudo. Há o jogo do poder, há o jogo político partidário, que não tem limites. Não tem limites éticos, não tem limites de toda a forma. Portanto, é uma situação muito complicada", afirmou o presidente da OAB. Impeachment A OAB analisa a possibilidade de entrar com um pedido de impeachment do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. O Conselho Federal da entidade vai decidir sobre a questão no dia 08 de maio. Busato, que na semana passada se encontrou com o presidente Lula, em Brasília, tem repetido que a Ordem não está a serviço de nenhum partido e será transparente na sua decisão sobre o pedido de impedimento. "Para não haver essa confusão de que nós estaríamos fazendo parte desse jogo político-partidário", observou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.