OAB critica ideia de vetar transmissão ao vivo do STF

Ideia é defendida pelo ministro Eros Grau; para Britto, sistema atual, 'com seus defeitos é melhor que censura'

MARIÂNGELA GALLUCCI, Agencia Estado

21 de maio de 2009 | 18h54

O presidente nacional da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Cezar Britto, criticou nesta quinta-feira, 21, a ideia defendida pelo ministro Eros Grau, do Supremo Tribunal Federal (STF), de acabar com as transmissões ao vivo das sessões de julgamento da Corte pela TV Justiça. "Caso o Supremo resolva vetar as transmissões ao vivo, estabelecendo a transmissão apenas de programas editados sobre as sessões de julgamento do Pleno, a questão é saber quem será o censor. O sistema atual, de transmissões livres, com todos os seus defeitos, é muito melhor que a censura ou edições controladas previamente", afirmou.

O presidente da OAB do Rio de Janeiro, Wadih Damous, também se diz contra o fim das transmissões ao vivo. Segundo ele, elas contribuíram para a democratização do Judiciário. "Seria um grande retrocesso. Espero que os ministros votem contra", disse.

O presidente da Comissão Nacional de Direitos Sociais da OAB, Roberto Caldas, afirmou que seria um "retrocesso" editar os julgamentos antes de transmiti-los. "Quando uma conquista dessa espécie se aperfeiçoa não pode haver volta. Do contrário, em termos jurídicos, seria um grande retrocesso que feriria princípios de direitos sociais e constitucionais". Ontem, o presidente do STF, Gilmar Mendes, disse que o fim das transmissões não está sendo cogitado.

Mais conteúdo sobre:
JustiçaSTFTVOAB

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.