OAB critica greve dos juízes

O presidente em exercício da Ordem dos Advogados do Brasil, Roberto Antonio Busato, divulgou nota em que afirma que a greve dos juízes é "desnecessária, imatura e uma agressão à sociedade". Segundo Busato, "as associações dos juízes estão confundindo prerrogativas constitucionais de irremovibilidade, irretroatividade e vitaliciedade, que lhes são próprias, com aposentadorias pagas, no final das contas, pelos contribuintes". Na avaliação do presidente em exercício da OAB, a greve tem um caráter de interesse próprio, promovida por uma categoria que, por desempenhar funções de Estado, apenas vai prejudicar a sociedade.Veja a seguir a íntegra da nota divulgada pelo presidente em exercício da OAB:Ainda que compreenda as distorções salariais existentes e se preocupe com os reflexos que elas podem causar aos quadros da magistratura, a Ordem dos Advogados do Brasil discorda publicamente da greve anunciada pelos juízes estaduais e do trabalho. Sob o argumento de que o projeto de reforma da Previdência está maculando direitos da classe, as associações de juízes estão, na verdade, confundindo as prerrogativas constitucionais de irremovibilidade, irretroatividade e vitaliciedade, que lhes são próprias, com aposentadorias pagas, no final das contas, pelos contribuintes. É preciso ficar claro que se trata de um movimento classista que visa receber, a todo custo, um tratamento diferenciado, e não de defesa de suas prerrogativas. Sendo assim, a greve tem um caráter de interesse próprio, promovida por uma categoria que, por desempenhar funções de Estado, apenas vai prejudicar a sociedade. Nesse sentido, constitui uma agressão à ordem jurídica, revelando-se também fragilizada em seu nascedouro, na medida em que não conta com a adesão de todo o segmento do Judiciário, principalmente da cúpula, além de imatura, quando pega carona na paralisação dos servidores da Justiça.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.