OAB cobra garantias de Cuba aos boxeadores

No momento em que o governo de Cuba busca apoio internacional para a campanha em defesa de cinco cidadãos seus presos nos Estados Unidos, acusados de espionagem, o presidente nacional da Ordem dos Advogados do Brasil, Cezar Britto, reúne-se com o embaixador cubano em Brasília, Pedro Nuñez Mosquera, para pedir, em nome da OAB, ''''reciprocidade no tratamento digno e integridade física dos esportistas''''.O encontro dos dois será hoje, em almoço na Embaixada de Cuba. A OAB vai pedir também à União dos Juristas de Cuba, entidade que congrega os advogados da ilha, que acompanhe a situação de Guillermo Rigondeaux e Erislandy Lara e mantenha a Ordem informada.A OAB estuda ainda a possibilidade de enviar a Cuba um representante do seu Conselho Federal para verificar diretamente a situação dos dois atletas e de suas famílias. A informação que circulou em várias fontes, e que teria levado os dois boxeadores a desistir de se transferir para a Alemanha, é que parentes seus tinham perdido casa, carro e garantias pessoais, assim que os dois deixaram a delegação de Cuba no Pan do Rio.''''Assim como cobramos um tratamento digno para os cubanos presos nos Estados Unidos, vamos cobrar um tratamento em igualdade com esse princípio aos atletas que foram deportados'''', disse Britto. O julgamento dos cinco cubanos acusados de espionagem será no dia 29, em Atlanta, na Georgia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.