O que foi assinado

Plano de Ação: guia e base jurídica da parceria estratégica. Prevê a conjugação de esforços para a reforma da governança internacional, a criação de um grupo de trabalho nas áreas econômica e comercial, a parceria "privilegiada" na área de defesa, a aproximação de posições nas discussões sobre mudança do clima e a cooperação sobre a biodiversidade amazônicaSubmarinos: em acordo e contrato, foi cimentada a aquisição de quatro submarinos convencionais Scorpène pelo Brasil, com transferência de tecnologia, e o apoio da França à concepção e construção da parte não-nuclear do submarino atômico brasileiro. Prevê a construção, no Brasil, de um estaleiro e de uma base navalHelicópteros: contrato de compra de 51 helicópteros militares da Eurocoptere France, que serão montados pela Helibrás, empresa de capital francês, em Itajubá (MG). O custo é de 1,899 bilhãoOuro: acordo para o combate à exploração ilegal de ouro na faixa de 150 quilômetros dos dois lados da fronteira entre o Amapá e a Guiana Francesa. Prevê ações conjuntas na prevenção e repressão da extração ilegal, assim como a adoção de leis específicas pelos dois paísesBiodiversidade: protocolo para a criação de um Centro Franco-Brasileiro de Biodiversidade Amazônica. O centro será um núcleo de pesquisa dos dois países, voltado para a execução de projetos científicos conjuntos e a formação de profissionaisBioma amazônico: cooperação para o desenvolvimento sustentável do bioma amazônico, dos dois lados da fronteira Brasil-Guiana Francesa. Prevê uma avaliação dos recursos naturais, a partir do uso de sensoriamento remoto, a promoção do manejo sustentável da floresta e a formulação de um inventário da fauna e flora da AmazôniaEnsino profissional: cooperação bilateral para a melhoria do ensino profissional em ambos os países, a partir da troca de experiências

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.