Geraldo Magela/Agência Senado/Divulgação
Geraldo Magela/Agência Senado/Divulgação

‘O que é ética para você pode não ser para mim. A ética é abstrata’, diz Lobão Filho

Para senador, obrigar parlamentares a se comprometerem com princípios éticos poderia gerar 'problemas de conflito'

Andreza Matais, O Estado de S. Paulo

05 de agosto de 2013 | 23h40

BRASÍLIA - O senador Lobão Filho (PMDB-MA) disse ao Estado que obrigar os senadores a, no juramento da posse, se comprometerem com a defesa intransigente da ética poderia "dar margem a interpretações perigosas" e "gerar problemas de conflito" no Senado. Sobre ter rejeitado a obrigação de parentes de senadores de apresentarem declaração de bens, o senador disse que a medida é inconstitucional.

Confira a entrevista:

Por que o sr. excluiu o compromisso com a ética no juramento dos senadores?

Isso daria margem a interpretações perigosas. O que é ética para você pode não ser para mim. E aí incluir isso iria gerar problema de conflitos ali. A ética é uma coisa muito subjetiva, muito abstrata.

Se comprometer a agir com ética poderia gerar problemas?

O que complica eu tentei tirar. Não julgo que esse item seja tão importante ou faça alguma diferença no exercício legítimo da atividade parlamentar.

Não precisa se comprometer com a ética?

Acho que não.

Por que não obrigar os parentes de senadores a apresentarem declaração de bens?

Eu vi isso mais como invasão de privacidade. Você tem um filho de um senador com 30, 40 anos de atividade, ele tem que ser submetido a uma devassa porque o pai, o tio é parlamentar?

Mais conteúdo sobre:
SenadoLobão Filhoética

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.