Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

O que Bolsonaro vai fazer em sua primeira visita ao Nordeste

Presidente Jair Bolsonaro faz sua primeira visita à região onde tem menor aprovação

Ricardo Galhardo, Pedro Venceslau e Felipe Frazão, O Estado de S.Paulo

24 de maio de 2019 | 11h08
Atualizado 24 de maio de 2019 | 11h34

O presidente Jair Bolsonaro faz nesta sexta-feira, 24, sua primeira visita à região Nordeste, onde o governo tem as piores avaliações – para 40% dos nordestinos, a gestão é ruim ou péssima, segundo dados do Ibope. A região é comandada por governadores da oposição, com os quais o presidente fará uma reunião nesta sexta. 

Oficialmente, a viagem marcará o lançamento do Plano Regional de Desenvolvimento do Nordeste (PRDNE), elaborado pela primeira vez, no âmbito da Superintendência de Desenvolvimento do Nordeste (Sudene)

Com base em critérios do IBGE, o plano estabelece 41 regiões prioritárias para investimentos, além das nove capitais dos Estados. A ideia é que esses polos funcionem como indutores de geração de emprego, expansão do saneamento básico, diminuição das desigualdades de renda e de indicadores como mortalidade materno-infantil e analfabetismo. 

O que Bolsonaro vai fazer no Nordeste? 

O roteiro do presidente tomará toda a sexta-feira. Ele chegou em Recife pela manhã e, depois, vai para Petrolina. Em Recife , deverá anunciar um acréscimo de R$ 2,1 bilhões ao Fundo Constitucional de Financiamento do Nordeste, a ser usado em obras de infraestrutura. Ao todo, o fundo passará a ter R$ 25,8 bilhões em 2019. Já em Petrolina o presidente vai entregar um conjunto habitacional do programa Minha Casa Minha Vida

O presidente vai ser reunir, no Instituto Ricardo Brennand, complexo cultural da capital pernambucana, com 11 governadores. Todos da região confirmaram presença – Alagoas, Bahia, Ceará, Maranhão, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte e Sergipe. Além deles, irão os governadores de Minas Gerais e Espírito Santo, abrangendo parte do Sudene. Parlamentares nordestinos, que cobravam a ida do presidente à região, também foram convidados. 

A viagem de Bolsonaro foi precedida de encontros com esses governadores. Em uma reunião recente em Brasília, ministros palacianos apelaram por mais apoio à reforma da Previdência. Argumentaram que, apesar das diferenças políticas, não era mais tempo de “palanque”. 

Quem foi com o presidente

A comitiva tem 15 acompanhantes: os ministros Osmar Terra (Cidadania), Marcos Pontos (Ciência e Tecnologia), Santos Cruz (Secretaria de Governo), Floriano Peixoto (Secretaria-Geral), general Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Institucional).

Além deles, integram o grupo o líder do governo no Senado, Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), os deputados André Ferreira (PSC-PE), Dayane Pimentel (PSL-BA), General Girão (PSL-RN), Heitor Freire (PSL-CE), Júlio César (PSD-PI), Luciano Bivar (PSL-PE), o presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães,  o secretário especial de Assuntos Fundiários do Ministério da Agricultura, Luiz Antônio Nabhan Garcia, e o presidente da Embratur, Gilson Machado Guimarães Neto. 

Demandas da região 

Em carta aberta após encontro com Bolsonaro em Brasília, os governadores do Nordeste reclamaram dos cortes orçamentários nas universidades e institutos federais, que motivaram as marchas de rua da semana passada, e solicitaram a retomada de obras rodoviárias, de segurança hídrica e habitacionais, como forma de combater o desemprego. A região Nordeste registra a maior taxa de desemprego no País: 15,3%, acima da média nacional, de 12,7%.

Os ministros prepararam a Agenda Nordeste, um conjunto de ações de curto prazo – a maioria delas já existia em governos anteriores, mas será remodelada. Entre elas, estão a instalação de cisternas nas escolas (do Ministério da Cidadania), que também anunciou pagamento de 13.º no Bolsa Família; a aquisição de alimentos da agricultura familiar e crédito fundiário (a cargo a pasta da Agricultura); ligação por internet em escolas rurais e o estímulo ao interesse por ciências ( Ciência e Tecnologia e Educação); e a Rede Cegonha, de atenção básica a mães e bebês (Saúde).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.