Andre Penner/AP
Andre Penner/AP

'O PT sabe que eu e o PDT ameaçamos essa hegemonia apodrecida deles', diz Ciro

Ex-ministro e presidenciável pelo PDT voltou a afirmar que eleição de Jair Bolsonaro foi fruto de 'lado bandido' do PT, que segundo ele, continua mandando no partido

Clarissa Oliveira e Mateus Fagundes, O Estado de S.Paulo

20 de março de 2019 | 19h21

O ex-ministro e candidato derrotado do PDT à Presidência, Ciro Gomes, voltou a criticar duramente o PT e disse ter se tornado alvo por ameaçar a "hegemonia apodrecida" da antiga sigla aliada. Ao Estadão/Broadcast, Ciro voltou a afirmar que enxerga no "lado bandido" do PT a origem do movimento que culminou na eleição do presidente Jair Bolsonaro e levou a sigla à atual condição de paralisia.

"Bolsonaro é produto do lado bandido do PT. E eu continuo achando que quem está mandando ali (no PT) é esse lado bandido. Eles estão completamente perdidos. Por isso, só resta agora a esse lado bandido do PT bater em mim", afirmou Ciro, ao comentar os recentes atritos com a presidente do PT, Gleisi Hoffmann. Na troca de ataques lançados na semana passada, Gleisi chegou a ser chamada de "chefe de quadrilha" e Ciro, de "coronel oportunista". "O PT sabe que eu e o PDT ameaçamos essa hegemonia apodrecida deles."

Ciro criticou, por exemplo, a decisão dos petistas de se ausentar da cerimônia de posse do presidente Jair Bolsonaro, mas participar da posse de Nicolás Maduro na Venezuela. "É antidemocrático", pontuou.

Ao falar sobre os planos do PDT para a articulação da oposição no Congresso, Ciro disse que seu partido tem atuado em sintonia com legendas como PCdoB e PSB. Ele ponderou que, diante de assuntos como a reforma da Previdência, é inevitável que todos os partidos que integram a oposição ao governo trabalhem em conjunto, inclusive o PT.

"Temos que ter em mente que a luta, a partir de agora, se dará em questões práticas. Temos consciência de que somos minoria. Por isso, temos que atuar em conjunto para atenuar danos", afirmou.  

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.