O presidente, as autoridades e a aroeira

Lula pega na enxada em solenidade

João Domingos, O Estadao de S.Paulo

06 de novembro de 2008 | 00h00

Sem jeito no manuseio de pás e enxadas, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva e os presidentes do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes, do Senado, Garibaldi Alves (PMDB-RN), e da Câmara, Arlindo Chinaglia (PT-SP), plantaram ontem mudas de árvores no Bosque dos Constituintes, próximo à Praça dos Três Poderes, em comemoração aos 20 anos da Constituição.Lula cuidou de uma muda de aroeira, árvore conhecida por sua resistência ao fogo, à chuva e ao sol, muitas com mais de 100 anos encontradas em construções do interior de Goiás. Ao manipular a pá, o presidente jogou tanta terra para o ar que acabou sujando não só o seu paletó, mas também os de Gilmar Mendes e Chinaglia, que estavam por perto. Garibaldi Alves, que chegou atrasado, correu para dar um aperto de mão em Lula, mas o presidente havia enfiado o antebraço dentro do balde de água. Para não sujar a mão de Garibaldi, Lula lhe deu o braço para o cumprimento. Em seguida, Chinaglia foi a uma cova feita antecipadamente por operários que trabalham para o governo de Brasília plantar a sua muda, esta de um chichá-do-cerrado (Sterculia striata). Ao manipular a pá, quase o presidente da Câmara acertou o estômago de Garibaldi com o cabo da ferramenta.Coube ao presidente do Senado plantar outra muda de chichá. Mas Garibaldi mostrou-se totalmente inábil com a pá. Tinha dificuldades para levantar poucos grãos de terra. "Esse não leva jeito", comentou Chinaglia. "Se depender de produtividade na plantação de árvore, o Garibaldi terá produtividade zero", zombou o presidente do STF.O quarto a plantar uma muda - também de chichá - no Bosque dos Constituintes foi Gilmar Mendes. Empunhou a pá e rapidamente enterrou a muda, para inveja de Chinaglia e Garibaldi. Mas eles não desistiram. "Pega a enxada, que ajuda", opinou Garibaldi.O Bosque dos Constituintes surgiu há 20 anos e foi um dos temas da comemoração pela promulgação da Constituição de 1988. Na época foram levadas para lá 600 mudas. Muitas já morreram. A que Ulysses Guimarães plantou - um pé de pau-brasil - está grande e frondosa. Mas o bosque acabou quase esquecido. Agora, será transformado num bosque multiuso, numa área de 70 mil metros quadrados, com pistas para bicicletas e caminhadas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.