‘O plano não era matar. Mas deu tudo errado’

Policial que trabalhou com Fleury e Tuma no Dops conta como foi a emboscada que matou o líder guerrilheiro

Marcelo Godoy, O Estado de S.Paulo

09 de outubro de 2016 | 05h00

R.A. viveu uma década no Serviço Secreto (SI) do Departamento de Ordem Política e Social (Dops). Esteve infiltrado entre os estudantes no Congresso da União Nacional do Estudantes (UNE), em Ibiúna, que acabou com todos presos em 1968, e nas operações que mataram Carlos Marighella e Joaquim Câmara Ferreira. Trabalhou na Operação Bandeirantes e com Romeu Tuma.

O que aconteceu naquele dia?

Ele (Marighella) chegou e entrou no carro. Quando ele tentou sair, o pessoal que estava mais perto do carro atirou.

Quem matou Marighella?

Foi o Tralli (José Carlos Tralli, que usou uma espingarda Wincester calibre 44). O Tralli na verdade se apavorou. O Marighella era um mito. Achavam que estaria com uma baita segurança. O nome dele era tão forte quanto o do Fleury. Ninguém achou que ele ia dar uma moleza de ir sozinho a um ponto.

A ordem era matar Marighella?

Acho que não. A intenção não era essa. Ele seria um baita troféu vivo, não morto. O objetivo era “encanar” o homem. Era uma guerra, mas esse não era o objetivo, não, tanto é que o Joaquim Câmara Ferreira (substituto de Marighella, preso e morto sob tortura) foi preso. Dava para prender, mas deu tudo errado.

E quem matou a investigadora Estela Morato?

A Estela foi uma baita cagada. Ela estava no Chevrolet Bell Air do Tuma. O Bell Air foi usado de última hora, pois um outro carro quebrou – acho que era um Aero Willys. Todos os carros eram descaracterizados. O problema é que nem todo o pessoal da operação sabia do Bell Air. Aí o dentista (na verdade o protético Friedrich Rohmann, que morreu) furou o bloqueio. E o pessoal atirou. Teve gente que descarregou mais de um pente de metralhadora. Foi fogo amigo, assim como o Tucunduva (delegado Rubens Tucunduva, também ferido). Eu estava lá com meu parceiro, o Celso Cipriani. A Estela trabalhava no SI, como eu. Eu estava há uma quadra de onde o Marighella foi morto. Tinha muita gente lá. Até PMs. Você sabia? Os cães usados (pastores alemães) eram da PM. Uns seis homens da PMs participaram.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.