Daniel Teixeira / Estadão
Daniel Teixeira / Estadão

O papel dos jornais como guardiões da veracidade objetiva

Ataque indiscriminado de populistas e oportunistas a empresas jornalísticas causa prejuízo ao funcionamento do sistema democrático

William Waack, O Estado de S.Paulo

07 de novembro de 2019 | 05h00

Dois pontos chamaram minha atenção (portanto, esta é uma visão pessoal e não um resumo do que foi dito) no painel que moderei no Summit do Estado. Ambos me pareceram relevantes dentro do que foi dito por Michael Greenspon, líder de licenciamento e inovação de mídia impressa do The New York Times, e João Caminoto, diretor de jornalismo do Estado: as grandes empresas jornalísticas estão empenhadas em recuperar seu tradicional papel de guardiãs da chamada veracidade objetiva dos fatos e são essenciais no combate ao fenômeno das fake news.

Isso se dá pelo aperfeiçoamento do que sempre foi seu principal empenho: a prática do jornalismo profissional de qualidade. Os painelistas reconheceram que é fundamental o respeito ao público e o abandono de qualquer postura de “paternalismo” ou de “tutela” da audiência. Como assinalou Caminoto, esse tipo de correção de rumo implica reconhecer um grau antes inexistente de interação com o leitor.

Da mesma maneira, o ambiente político no qual populistas e oportunistas fazem do ataque indiscriminado a empresas jornalísticas um pilar da sua busca por simpatias e audiências – causando severo prejuízo ao funcionamento geral de sistemas democráticos – impõe ainda maior ênfase na publicação de informações checadas e opiniões qualificadas. O clima político que tanto nos Estados Unidos como no Brasil é caracterizado em parte pelo empenho direto de personagens de várias colorações e agrupamentos em ganhar projeção através da desqualificação do jornalismo profissional.

A luta contra o que genericamente se chamaria de “desinformação” depende, porém, da participação dedicada das grandes plataformas que compõem as redes sociais. O impacto sobretudo em termos de alcance dessas gigantes supera em muito as mídias tradicionais. O esforço de “filtragem” ou “checagem” de informações que trafegam por essas redes não terá qualquer êxito, se não for efetivamente realizado pelas plataformas gigantes.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.