O momento é bom para o Brasil, diz Dirceu

O ministro-chefe da Casa Civil, José Dirceu, que hoje fará um balanço dos 18 meses de governo em uma reunião ministerial com a presença também das lideranças no Congresso, disse hoje, em entrevista ao programa Bom Dia Brasil, da TV Globo, que "este é um momento bom para o Brasil". "Não é difícil perceber o crescimento da economia, inclusive do emprego", disse o ministro. Ele reconhece, no entanto, que este ainda é um momento difícil para o País. "O País ainda tem obstáculos a superar. Nós temos uma dívida interna que é um grande problema para o País, porque o serviço dela pesa no orçamento da União, mas o País avançou", disse o ministro, referindo-se às reformas aprovadas no Congresso Nacional. "Nós temos que votar a Lei de Falências, a Lei de Biossegurança e as mudanças que serão feitas no crédito imobiliário. São leis importantes porque permitem não só a redução dos juros, mas também o crescimento da construção civil, que cria empregos", disse.Segundo o ministro, o País hoje tem uma política industrial e tecnológica, com uma Lei de Inovação sendo votada no Congresso, e avançou também na área social, além de superar a insegurança, o risco da inflação e a instabilidade do dólar. "Com inflação, com dólar instável e com o risco Brasil nas alturas não há crescimento e não há possibilidade de discutir o que estamos discutindo agora, que é uma outra fase do governo , de viabilizar os investimentos na infra-estrutura, nas rodovias, ferrovias e portos do País."Ainda segundo o ministro, os investimentos estão aumentando no País. "A formação bruta de capital fixo já está crescendo no Brasil novamente. O Brasil precisa de 23%, 25% do seu Produto Interno Bruto de investimento. Tem 17%, 18%. Então esse é um esforço que está sendo feito", disse. O ministro ressaltou também o aumento de investimentos em programas sociais como o Bolsa Família. Segundo ele, os investimentos "mais do que dobraram" para o Bolsa Família e o número de famílias atendidas vai chegar a 6,5 milhões no final do ano. Além disso, ressaltou, houve um aumento de R$ 6 bilhões em investimentos na área da saúde. "Em 18 meses nós investimos na área de saneamento o que tinha sido financiado em sete anos do governo anterior", disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.