Imagem Dora Kramer
Colunista
Dora Kramer
Conteúdo Exclusivo para Assinante

O malefício da dúvida

Ao justificar o pedido de prisão preventiva de Nestor Cerveró, o Ministério Público Federal fez uma alegação que aparentemente vai muito além das circunstâncias específicas envolvendo o ex-diretor da área internacional da Petrobrás.

Dora Kramer, O Estado de S.Paulo

16 de janeiro de 2015 | 02h03

Digo aparentemente porque a afirmação de que o esquema de corrupção na estatal não foi estancado, registrada em documentos da Procuradoria, carece de esclarecimento. Da forma como foi noticiada soa dúbia.

Isso para analisar o tema com boa vontade, partindo do pressuposto de que seja impossível as atividades criminosas terem continuado mesmo depois de a empresa passar a viver sob regime de intensa investigação.

A documentação aponta a inexistência de "indicativos" suficientes para que se conclua com segurança que foram fechados os dutos pelos quais eram desviados recursos da Petrobrás. "Pelo contrário, há indícios de pagamentos de propinas efetuados por empresas a diretores mesmo em 2014."

Quais diretores? Até quando em 2014? O fato de não ter sido estancado quer dizer que o esquema continua funcionando? Aí o tempo do verbo não é um detalhe, é essencial. Uma coisa é a prisão preventiva de Cerveró por atos relativos às denúncias que pesam contra ele. Outra coisa é a referência à continuidade da ocorrência de ilícitos.

Lançam suspeição sobre a atual diretoria da empresa e autorizam a desconfiança de que o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, não fazia mera ilação quando sugeriu o afastamento imediato da cúpula da Petrobrás. Deixa mal a comandante da companhia, Graça Foster, e pior a presidente Dilma Rousseff.

O texto dos procuradores contrasta com a declaração de Dilma feita no dia 8 de setembro do ano passado: "Se houve alguma coisa, e tudo indica que houve, eu posso garantir que todas as, digamos assim sangrias que eventualmente pudessem existir estão estancadas", disse ela pisando em ovos na ponta dos pés, como se vê pela escolha das palavras.

Note-se também que a presidente usou o mesmo verbo, "estancar", e no presente do afirmativo. Agora o Ministério Público o utiliza no presente, mas na forma negativa. É possível que tenha havido algum mal-entendido. Mas também pode ser que não. Urgente, portanto, que a Procuradoria esclareça se as palavras escritas correspondem aos fatos sugeridos.

Penúria vip. Se, como alega a defesa, Nestor Cerveró está em dificuldade financeira, o que fazia ele na primeira classe no voo que o trouxe de Londres quando foi preso ao desembarcar no Brasil?

Trinta anos. Desde aquele dia 15 de janeiro de 1985, em que a eleição de Tancredo Neves no colégio eleitoral pôs fim ao ciclo de governantes militares, até hoje o Brasil mudou muito com a democracia.

Evoluiu institucionalmente, mas ficou parado no tempo nas práticas políticas. São anos e anos patinando em infrutíferas tentativas de nos modernizar. Mas a ironia do destino que agora nos remete àquela data diz respeito ao partido que está entrando em seu quarto período do poder e 30 anos atrás se recusou a votar no candidato de oposição ao regime alegando que ele não representava as mudanças necessárias ao País. Era igualmente conservador.

Pois esse mesmo partido, o PT, quando assume a Presidência da República transforma-se no maior avalista dos velhos vícios e, no lugar de usar sua força popular para conferir nobreza à atividade base dos regimes democráticos, preferiu mergulhar nas profundezas do atraso com todos os benefícios, malefícios e consequências daí decorrentes.

Olhando em retrospectiva: de que valeu o gesto contra Tancredo? Contra o sentimento que mobilizava o Brasil?

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.