REUTERS/Ricardo Moraes
REUTERS/Ricardo Moraes

‘O julgamento de Adélio acabou’, diz advogado do autor da facada em Bolsonaro

Para Zanone Manuel de Oliveira Júnior, não há mais possibilidade de recurso no caso, que já transitou em julgado; ao ‘Estado’, novo PGR diz que pretende buscar a ‘verdade real’ sobre o atentado

Ricardo Galhardo, O Estado de S.Paulo

02 de outubro de 2019 | 15h45
Atualizado 02 de outubro de 2019 | 16h36

O advogado Zanone Manuel de Oliveira Júnior, responsável pela defesa de Adélio Bispo de Oliveira, autor da facada contra o presidente Jair Bolsonaro, disse nesta quarta-feira, 2, que a tentativa de ressuscitar o caso de seu cliente é algo tardio pois o julgamento de Adélio já transitou em julgado, ou seja, esgotou todas as possibilidades de recurso.

Na semana passada Bolsonaro designou o advogado Frederik Wassef, que também defende o senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) no caso das movimentações financeiras atípicas de seu ex-assessor Fabrício Queiroz, para ser assistente de acusação no caso.

Em entrevista ao Estado o procurador-geral da República, Augusto Aras, disse que pretende buscar a “verdade real” sobre a facada e que “não parece crível” a conclusão da Polícia Federal der que Adélio agiu durante um surto.

“Pena que ele (Wassef) chegou tarde. Já transitou em julgado. O julgamento do Adélio acabou. Aquilo ali nunca mais. Talvez na próxima encarnação”, disse Zanone.

Segundo o advogado, existe interesse político do presidente em manter o caso Adélio em evidência. “A participação do novo advogado é absolutamente legítima. A gente já percebeu que é politicamente conveniente que este assunto não morra”, afirmou.

Para Wassef, Adélio é um “assassino profissional” que foi contratado para matar o então candidato a presidente. Nem ele nem Aras apresentaram indícios que justifiquem discordar das conclusões da Polícia Federal.

Em entrevista ao Estado, Wassef politizou o caso ao cobrar o mesmo destaque dado ao assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL), morta a tiros em 2018 no Rio de Janeiro. 

Em 2018, a PF concluiu que o autor da facada agiu sozinho. Segundo a Justiça Federal em Juiz de fora (MG), Adélio é inimputável por sofrer de distúrbios mentais. Bolsonaro e o Ministério Público Federal optaram por não recorrer da decisão. Dentro de três anos o autor da facada será submetido a nova perícia. Segundo o advogado, se for constatado que ele está são, Adélio pode ser libertado.

Tribunal quer mandar ao STF análise sobre operação contra advogado de Adélio

Nesta quarta-feira, o Tribunal Regional Federal da 1.ª Região (TRF-1) formou maioria a favor do entendimento de que é competência do Supremo Tribunal Federal (STF) analisar a legalidade da operação contra o advogado Zanone Júnior, defensor de Adélio Bispo, autor da facada contra o presidente Jair Bolsonaro. 

Zanone foi alvo de uma busca e apreensão da Polícia Federal, mas o material apreendido na operação não foi analisado por força de uma decisão liminar.

A OAB argumenta que a apreensão fere a prerrogativa profissional que garante sigilo entre advogado e cliente.

O caso levou Bolsonaro a fazer ataques contra o presidente da OAB, Felipe Santa Cruz, alvo de insinuações do presidente sobre a morte de seu pai, Fernando Santa Cruz, desaparecido durante a ditadura militar depois de ser preso por agentes do DOI-CODI no Rio de Janeiro, em 1972.

Zanone acredita que seu celular já foi periciado – até porque a liminar em favor da OAB saiu semanas depois da apreensão do aparelho – e que ele próprio e sua família são alvo de investigações doa órgãos de segurança do governo. “Eles estão tentando ver se tem um mandante e é legítimo. Mas você acha que a PF, a Abin (Agência Brasileira de Inteligência), a inteligência do Exército não estão todo mundo me monitorando desde o primeiro dia, monitorando meus parentes, meu sigilo fiscal, meu sigilo sexual, tudo, até o útero da minha mãe?”, disse o advogado.

Zanone disse que foi contratado por uma pessoa que ele não quer identificar para fazer a defesa de Adélio. Pessoas próximas desconfiam que o advogado, na verdade, decidiu entrar no caso por conta própria para aproveitar a visibilidade que o julgamento poderia lhe dar.

Segundo ele, o suposto contratante não entrou mais em contato. “Não tive mais acesso à pessoa que me contratou”, afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.