Alan Santos/PR (15/5/2021)
Alan Santos/PR (15/5/2021)
Imagem Eliane Cantanhêde
Colunista
Eliane Cantanhêde
Conteúdo Exclusivo para Assinante

O impeachment de Moraes não dá em nada, mas atiça alucinados para o dia 7

Alucinados incitam a população a invadir o STF, bloquear estradas e parar o País, enquanto o presidente reage ao real risco de derrota em 2022 atacando as urnas eletrônicas

Eliane Cantanhêde, O Estado de S.Paulo

22 de agosto de 2021 | 03h00

Junto com a radicalização, o pedido de impeachment do ministro Alexandre de Moraes e a resistência vigorosa do Supremo às ameaças ao nosso 7 de Setembro, um mal se alastra pelo Brasil como erva daninha, ou como a variante Delta: o negacionismo, ou terraplanismo, que mistura ideologia, ignorância, crença cega e má fé, arrastando milhões de ovelhas fiéis e incautas para o lado errado da história. 

Depois de um ministro da Educação que falava mal o português, um segundo que não sabia escrever e queria prender os ministros do Supremo e um terceiro que não tomou posse por fraudar o currículo, chegamos ao pastor Milton Ribeiro. Discreto (omisso?), ele sumiu durante a pandemia e lembra o personagem de TV que “só abre a boca para falar besteiras”. 

Em entrevista ao Estadão, o ministro (da Educação!) disse que jovens gays são resultado de “famílias desajustadas”. Depois, voltou à cena com a tese de que universidades são para “poucos”. Leia-se: para a elite branca das escolas particulares. Sim, é preciso investir mais no ensino profissionalizante e menos em faculdades de fundo de quintal que geram diplomas, não profissionais aptos para o mercado. Mas tratar universidades como bolhas, condenando pobres e negros à exclusão eterna? 

Por último, o pastor Ribeiro declarou que alunos com alguma deficiência “atrapalham” as aulas e devem ser segregados. Pai de Ivy, de 16 anos, portadora de Down, o senador e craque Romário desprezou a diplomacia. Chamou o ministro de “imbecil e deselegante” e tascou: “Toma vergonha na cara!”. 

A experiência, nacional e internacional, confirma que crianças e jovens com alguma deficiência ou altas habilidades evoluem muito, são mais capazes e felizes ao conviver com os colegas em salas de aulas inclusivas, com uma troca de alto teor educativo: todos aprendem com todos e, juntos, preparam-se melhor para a vida, a igualdade, a empatia, o amor. 

Para Ribeiro, isso é “inclusivismo”, primo do “ambientalismo” que o ex-chanceler Ernesto Araújo acusava em governos, organizações e cidadãos que defendem o Meio Ambiente. De que família são esses primos? Do comunismo e do esquerdismo, armas da tia China para destruir o Ocidente... 

Se o ministro da Educação chocou o País embolando suas crenças pessoais com políticas públicas, o da Saúde, Marcelo Queiroga, exibiu o seu terraplanismo de conveniência. Médico respeitado convertido ao bolsonarismo, Queiroga deu uma cambalhota e se declarou — como o presidente Jair Bolsonaro, e em mídia aliada — contra o uso obrigatório de máscaras na pandemia. Na contramão, pois, da OMS e de todos os governos do mundo civilizado. 

Como, aliás, a subprocuradora Lindôra Araújo, que alegou em parecer ao STF a falta de uma “medida exata da eficácia das máscaras” para isentar o presidente de responsabilidade por não usá-las e dar um péssimo exemplo para os brasileiros. Lembram do vídeo em que tirou a máscara da criancinha? 

Milton Ribeiro, Ernesto Araújo, Queiroga, Lindôra, Abraham Weintraub, Ricardo Salles (ex-ministro do Meio Ambiente pró-desmatamento), Mário Frias (secretário da Cultura anticultura) e Sergio Camargo (que é da Fundação Palmares e odeia negros) têm em comum Jair Bolsonaro, o rei dos terraplanistas tupiniquins. 

A eles se unem alucinados que incitam a população a invadir o STF, ameaçar os ministros, bloquear estradas e parar o País, enquanto o presidente reage ao real risco de derrota em 2022 atacando as urnas eletrônicas e o atual e o futuro presidentes do TSE, Luís Roberto Barroso e Alexandre de Moraes. 

Bolsonaro sabe que o impeachment de Moraes não vai dar em nada, mas o objetivo é outro: incendiar os Sergios Reis e os Ottonis de Paula para o 7 de Setembro deixar de ser saudação à Pátria e virar adoração ao mito. Jair acima de tudo, Bolsonaro acima de todos!

*COMENTARISTA DA RÁDIO ELDORADO, DA RÁDIO JORNAL (PE) E DO TELEJORNAL GLOBONEWS EM PAUTA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.