José Dias/PR - 13/10/2021
José Dias/PR - 13/10/2021
Imagem Eliane Cantanhêde
Colunista
Eliane Cantanhêde
Conteúdo Exclusivo para Assinante

O grito de 'genocida' faz barulho, mas não leva a lugar nenhum. Vamos ao que interessa!

Há consenso na cúpula da CPI sobre as 11 tipificações de crimes contra o presidente Jair Bolsonaro, exceto uma: a de genocídio; o risco é um efeito bumerangue

Eliane Cantanhêde, O Estado de S.Paulo

17 de outubro de 2021 | 03h00

As bandeiras brancas no Congresso, representando os mais de 600 mil mortos na pandemia, prenunciam uma semana de grandes e tristes emoções, com o fim dos trabalhos e o relatório final da CPI da Covid no Senado. E essas emoções já começam amanhã, com depoimento de pais, mães e filhos de vítimas. Haja coração! E indignação!

Da emoção à política é um passo, mas, da política a reais consequências jurídicas são léguas. Há consenso na cúpula da CPI sobre as 11 tipificações de crimes contra o presidente Jair Bolsonaro, exceto uma: a de genocídio, pela ação grotesca e a má vontade assumida com os indígenas na pandemia, endereçada ao Tribunal Penal Internacional (TPI). O risco é um efeito bumerangue.

Se depender do relator Renan Calheiros, genocídio estará, sim, no relatório final, mas o presidente Omar Aziz, o vice Randolfe Rodrigues e Humberto Costa, do PT, alegam que a tese de genocídio enfraquece a CPI e fortalece a versão bolsonarista de “perseguição política”.

Os artigos 5.º, 6.º e 7.º do Estatuto de Roma estabelecem que a competência do TPI é restrita a crimes que afetam a comunidade internacional no seu conjunto: genocídio e crimes contra a humanidade, de guerra e de agressão. Os erros do Brasil de Bolsonaro, mesmo gritantes e graves, afetam a comunidade internacional no seu conjunto?

Genocídio é caracterizado por atos para destruir um grupo étnico, racial ou religioso, matando ou ferindo a integridade física ou mental de seus membros, impondo condições de vida destrutivas, impedindo nascimentos ou retirando crianças à força. O Brasil usou a pandemia para isso?

É público, notório e documentado que Bolsonaro não compreende, não se informa e despreza índios, fez um projeto escancarando suas terras a todo tipo de exploração e, na pandemia, vetou materiais de higiene, leitos hospitalares, respiradores e até água potável para eles. Por isso, já há denúncias contra ele em cortes internacionais.

No caso da CPI, o objetivo é outro. Fazer barulho? Ou provocar reais consequências políticas e jurídicas? “Genocídio” é bom apelo de marketing, mas a tipificação é frágil; o Congresso derrubou os vetos na lei de proteção dos índios, logo, não há “ato”; o TPI só entra se a Justiça nacional se omite. A esperança é a nossa Justiça agir.

Forçar a barra pelo genocídio dá munição ao bolsonarismo e esvazia a pressão na PGR, Câmara, MP dos Estados, PF e Receita. Provas não faltam de homicídio comissivo em série por omissão, crime de pandemia com morte, prevaricação, charlatanismo... Logo, vamos ao que interessa.

COMENTARISTA DA RÁDIO ELDORADO, DA RÁDIO JORNAL (PE) E DO TELEJORNAL GLOBONEWS EM PAUTA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.