DIDA SAMPAIO / ESTADÃO
DIDA SAMPAIO / ESTADÃO

"O governo é um só", diz Moro sobre ações de combate ao coronavírus

Ministro adota linha semelhante à do vice-presidente Hamilton Mourão e prega união; segundo ele, Bolsonaro não interferiu em portaria que restringiu entrada de estrangeiros

Eliane Cantanhêde, O Estado de S.Paulo

31 de março de 2020 | 11h45

BRASÍLIA - O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, disse que "o momento é de união" e, depois de autorizar o uso da Força Nacional para apoiar as ações do Ministério da Saúde no combate ao coronavírus, adotou uma linha semelhante à do vice-presidente Hamilton Mourão na semana passada: "O governo é um só".

O ministro corrigiu inclusive uma informação da coluna "Chacoalhada", publicada na edição desta terça-feira, 31, no Estado. Segundo ele, o presidente Jair Bolsonaro não interferiu na portaria do dia 20 de março que restringiu a entrada, por via aérea, de estrangeiros de 12 blocos e países e foi criticada por preservar a entrada de cidadãos dos EUA, então o sexto país em número de contaminados pelo coronavírus.

“Não houve interferência do presidente”, disse Moro, garantindo que a decisão foi do Ministério da Justiça e explicando que nenhum país das Américas havia sofrido restrição e não havia, então, motivo para limitar só a entrada de cidadãos dos EUA.

Por telefone, Moro disse que a ação da Força Nacional será coordenada com o Ministério da Saúde, com deslocamentos pelo País a pedido do ministério e em sintonia com os governos estaduais. A intenção é fazer a escolta de agentes de saúde em lugares inseguros e do transporte e distribuição de medicamentos e instrumentos onde for necessário. Seguindo o exemplo das Forças Armadas, a Força Nacional também deverá participar de ações de higienização de lugares públicos de grande movimento, como rodoviárias.

Conforme o Estado apurou, por trás da decisão há também o temor de saques e manifestações violentas nas ruas, em função do alto nível de tensão, do grande número de pessoas sem renda durante a pandemia e do próprio ambiente político. Moro, porém, não quis se manifestar sobre essa possibilidade.

“É um temor abstrato e não devemos falar sobre isso, para evitar que a profecia se autorrealize”, disse o ministro da Justiça e Segurança Pública, ressaltando que atualmente não há nada nesse sentido e que o uso da Força Nacional reforça a coordenação entre os vários órgãos do governo. “Como, aliás, já se viu ontem durante a entrevista coletiva sobre o coronavírus”, disse, em relação à entrevista em que o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, estava acompanhado de outros colegas de Esplanada.

Na opinião de Moro, é preciso seguir as orientações do Ministério da Saúde para conter a contaminação e minimizar os índices de letalidade do coronavírus, mas é importante também se preocupar com aqueles que, como os ambulantes, precisam ir às ruas para ganhar seu sustento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.