PR / Reprodução
PR / Reprodução
Imagem Eliane Cantanhêde
Colunista
Eliane Cantanhêde
Conteúdo Exclusivo para Assinante

O comandante do Exército está no pior dos mundos: ou perde o cargo, ou perde a autoridade

Paulo Sérgio cai nessa? É a pergunta que não quer calar em comandos, quartéis e lares militares, onde cala fundo o alerta do general Fernando Azevedo e Silva ao ser demitido da Defesa: é fundamental preservar as Forças Armadas

Eliane Cantanhêde, O Estado de S.Paulo

28 de maio de 2021 | 03h00

Por que o presidente Jair Bolsonaro saiu ontem de Brasília, voou quase 3 mil quilômetros e se meteu no meio da Amazônia para inaugurar uma pontezinha de madeira, de menos de 20 metros? Simples. Para continuar seduzindo os militares e tentar fazer com o novo comandante do Exército, general Paulo Sérgio, o que fez com o também general Eduardo Pazuello: cooptá-lo, para manipulá-lo. Mas Paulo Sérgio não é Pazuello.

A ponte Rodrigo e Cibele fica na BR 307, liga São Gabriel da Cachoeira (AM) à Comunidade Indígena Balaio e foi feita pela Engenharia do Exército. Bom pretexto para o encontro de Bolsonaro com Paulo Sérgio e o ministro da Defesa, general Walter Braga Netto, com direito a fotos e ao teatro de que vai tudo às mil maravilhas entre o presidente e as Forças Armadas. Não é assim.

Enquanto Bolsonaro se encontrava com o comandante e o ministro, bem longe da capital, vencia o prazo de 72 horas para que Pazuello se defendesse no Comando do Exército sobre sua presença num ato evidentemente político com o presidente, no Rio, domingo passado. O Estatuto Militar e o Regimento Disciplinar do Exército proíbem militares da ativa, caso de Pazuello, em atos políticos.

Quem tem poder monocrático no caso Pazuello é Paulo Sérgio, que tem sete dias para decidir e está no pior dos mundos: ou pune, correndo o risco de ser desautorizado por Bolsonaro e obrigado a se demitir; ou não pune e perde o respeito e a autoridade. Como ele estava ontem confraternizando com o presidente, suspeita-se que possa estar sendo convencido a optar por mera advertência. Não será fácil.

Ao defender punição, “para evitar a anarquia”, o vice Hamilton Mourão reflete um sentimento generalizado entre militares, que temem um estouro da boiada não mais no Meio Ambiente, mas nas Forças Armadas. Se um general pode subir em trio elétrico, todo mundo pode. Com uma agravante: no ano que vem tem eleição, pode virar uma farra...

Depois de proibir a compra da “vacina chinesa do Doria”, Bolsonaro foi ao hospital adular Pazuello, que estava com covid e caiu na lábia. Agora, o presidente age preventivamente, já aplainando terreno para evitar uma sentença dura contra Pazuello ou para vetá-la depois. Nesse caso, Paulo Sérgio vai se conformar com uma visitinha e uma adulação? Vai aderir ao “um manda, outro obedece”?

Como parte do script, Bolsonaro fez sua live semanal, ontem, no Pelotão Especial de Fronteira de Maturacá, usando uma antena do sistema de comunicação por satélites do Exército. E dormiu lá com a turma, manipulando egos e vaidades, para reduzir o mal-estar e a ansiedade para a nova crise com as Forças Armadas.

O strike na cúpula militar, com a demissão do ministro da Defesa e dos comandantes do Exército, da Marinha e da Aeronáutica, já demoliu a falácia, ou a impressão, de que as Forças Armadas são um monobloco e esse monobloco está inteiro com Bolsonaro. Ficou claro que não é assim.

Não satisfeito em dividir os militares, até então unidos e disciplinados, mesmo nos governos Lula e Dilma Rousseff, Bolsonaro aprofundou o incômodo com as imagens inacreditáveis do general Pazuello no seu palanque político. Crise renovada, ou piorada, Bolsonaro passa de incendiário a bombeiro, tentando seduzir os militares com falso prestígio, tapinhas nas costas, confraternizações.

Paulo Sérgio cai nessa? É a pergunta que não quer calar em comandos, quartéis e lares militares, onde cala fundo o alerta do general Fernando Azevedo e Silva ao ser demitido da Defesa: é fundamental preservar as Forças Armadas como instituições de Estado, não de governos que vêm e vão. Nunca antes, pós-redemocratização do País, um presidente fez tão mal às Forças Armadas como Jair Bolsonaro.

*COMENTARISTA DA RÁDIO ELDORADO, DA RÁDIO JORNAL (PE) E DO TELEJORNAL GLOBONEWS EM PAUTA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.