Imagem Vera Magalhães
Colunista
Vera Magalhães
Conteúdo Exclusivo para Assinante

O capitão em seu labirinto

Isolado, Bolsonaro parece crer que narrativa pode substituir realidade

Vera Magalhães, O Estado de S.Paulo

05 de abril de 2020 | 03h00

A semana que se encerra neste domingo começou com o presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, dobrando a aposta no negacionismo e saindo para um rolê pelas cidades-satélites de Brasília. Termina com sua autoridade ainda mais desgastada e sua figura reduzida à do capitão da reserva que sempre foi. 

Assim como grande parte dos brasileiros e do resto do mundo, e por mais que esperneie contra ele, Bolsonaro está em isolamento radical. Está confinado num labirinto, cada vez mais solitário e sem contato com a realidade. Que outro chefe de Estado conseguiu a proeza de se indispor, em maior ou menor grau e quase simultaneamente, com o próprio ministro da Saúde, a Organização Mundial da Saúde, os governadores de quase todos os Estados, os presidentes da Câmara e do Senado, a imprensa e o Supremo Tribunal Federal em plena pandemia do novo coronavírus? 

Por que a insistência quase obsessiva em trazer para o centro da discussão o fim do distanciamento social, as pesquisas com hidroxicloroquina, jejum e oração quando o foco deveria ser fazer os recursos já aprovados pelo Legislativo chegarem à ponta, aos mais necessitados? 

Por que as redes ligadas e guiadas pelos Bolsonaro insistem em conclamar para este domingo manifestações que vão contra um consenso global, de que só o distanciamento social (que por ora no Brasil não é radical, aliás, longe disso) pode nos fazer aproveitar a grande vantagem comparativa que temos em relação ao resto do mundo: o fato de estarmos algumas semanas atrasados na epidemia e podermos aprender com o que tem dado certo e errado nos outros países? 

São perguntas sinceras, não retóricas. Porque por mais que converse com políticos, economistas, analistas políticos e auxiliares de Bolsonaro não consigo ver cálculo – ou “método”, para usar a expressão consagrada pelo grande Carlos Andreazza – nas escolhas de um governo cada vez mais abilolado, na aposta de Bolsonaro num caos que já acaba com sua imagem e, no longo prazo, pode aniquilá-lo. 

Diferentemente das vezes em que teve êxito em se apresentar como baluarte anticorrupção sem nunca ter dado nenhuma contribuição ao combate à corrupção, ou em furar a fila do antipetismo depois de uma vida dedicada apenas às causas miúdas e corporativas, e em posar de austero enquanto praticava rachadinha, punha os filhos na política e com eles construía um patrimônio invejável, empregava funcionários-fantasmas, usava auxílio-moradia tendo imóvel próprio e condecorava milicianos, no caso de uma pandemia em que pessoas morrem às dezenas dia após dia narrativa não serve para absolutamente nada. 

É por isso que por mais que o presidente deambule em ziguezague em seu labirinto, guiado por filhos igualmente desnorteados e assistido por ministros cada vez mais omissos e coniventes, ele não chega à saída. Porque só uma capitulação diante dos fatos e a rendição à racionalidade podem evitar que, mais cedo ou mais tarde, o capitão seja visto por todos, até pelos que ainda hoje insistem em passar pano para seus abusos e suas sandices, como inviável para conduzir o País numa crise absoluta e definidora do futuro de toda a humanidade. 

Bolsonaro precisa: 

– Fazer com que o Ministério da Economia vença a catatonia de ter visto sua agenda mudar radicalmente e distribua de uma vez a Renda Básica Emergencial

– Parar de sabotar Luiz Mandetta e deixá-lo comandar a ação integrada com governadores e prefeitos, 

– E deixar de falar do que não entende, de isolamento social a medicamentos. 

Se conseguir esse programa mínimo, que não requer brilhantismo nem grande coragem de estadista, dará a melhor contribuição de que é capaz para que atravessemos esse pesadelo e saiamos do labirinto em que estamos enfiados com aquele que deveria nos conduzir.

Tudo o que sabemos sobre:
Jair Bolsonaroepidemiacoronavírus

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.