Governo do Estado de São Paulo
Governo do Estado de São Paulo

‘O Brasil quer vacinação, não quer comitê de adulação’, reage Doria a proposta de Bolsonaro

Governador paulista classificou pronunciamento do presidente como ‘farsa’; ideia é criar comitê de atuação conjunta entre os Poderes e governadores

Bruno Ribeiro, O Estado de S. Paulo

24 de março de 2021 | 14h51

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), reagiu com novas críticas ao presidente Jair Bolsonaro diante das notícias, da manhã desta quarta-feira, 24, sobre a criação de um comitê para coordenar as ações de combate ao coronavírus no Brasil. Doria chamou a proposta de “comitê de adulação” ao presidente que não seria “confiável”, e destacou que São Paulo, Estado com a maior população do País, não foi chamado para a composição deste grupo.

“Este comitê não nos representa. Não fomos convidados e aquilo que representa a saúde e a necessidade de proteção à vida dos brasileiros de São Paulo deve ser tratado com o governador do Estado de São Paulo, e não com representante”, disse Doria. “O Brasil quer vacinação, não quer comitê de adulação”, complementou, depois, em um sinal de que o eventual comitê pode nascer esvaziado. 

O comitê teve a criação anunciada na manhã desta quarta em Brasília, após uma reunião que contou com o presidente, 23 ministros, os presidentes da Câmara, Arthur Lira (Progressistas-AL), do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), o presidente do Supremo Tribunal Federal, Luiz Fux e cinco governadores de Estado tidos como aliados de Bolsonaro, um de cada região do País. Da região Sudeste, compareceu Romeu Zema (Novo), governador de Minas Gerais.  

Além de desqualificar o comitê, Doria também fez críticas ao pronunciamento de Bolsonaro feito em cadeia nacional de TV na terça-feira para tratar da epidemia. O pronunciamento sinalizou mais uma mudança de tom do presidente em relação à crise.

“Para quem, como eu e como milhões de brasileiros, assistiu àquela farsa daquele depoimento do presidente Jair Bolsonaro ontem na televisão com mentiras, inverdades e disfarçando, até mesmo com uma máscara que nunca utilizou, não é confiável a realização de um comitê que exclui governadores que estão trabalhando para proteger vidas e defender o distanciamento social, o isolamento quando for necessário, o uso de máscaras, a aplicação de vacinas e o não uso de cloroquina”, afirmou o governador paulista.

Ao anunciar a criação do comitê, o presidente não fez referência à cloroquina, mas mais uma vez citou o “tratamento precoce” como ação para enfrentar a covid-19.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.