Reprodução
Reprodução

Impeachment é liderado por políticos acusados de corrupção e há hipocrisia, diz NY Times

Texto ressalta que Dilma não é acusada de roubar dinheiro público

Estadão Conteúdo

15 de abril de 2016 | 13h44

O mais importante dos Estados Unidos, o The New York Times, publica grande reportagem na edição desta sexta-feira em que destaca que o processo de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff está sendo liderado por políticos que enfrentam uma série de acusações como corrupção, fraude eleitoral e até abusos de direitos humanos. "O que destampa o debate nacional sobre a hipocrisia entre os líderes brasileiros", diz o texto que ressalta que a presidente não é acusada de roubar dinheiro público. "Uma raridade", diz o jornal.

Com o título "Dilma Rousseff alvo no Brasil de legisladores que enfrentam seus próprios escândalos", a reportagem nota que, no processo de impeachment, a presidente brasileira "não enfrenta acusação de corrupção". "Em vez disso, ela é acusada de usar dinheiro dos gigantescos bancos públicos para cobrir lacunas no Orçamento, danificando a credibilidade econômica do Brasil".

"A senhora Rousseff, então, é uma raridade entre as grandes figuras políticas: Ela não é acusada de roubar dinheiro para ela mesma", diz a reportagem do Times.

Em contraponto, a reportagem cita vários parlamentares favoráveis à saída de Dilma que enfrentam problemas nesse tema. O deputado Eduardo Cunha, por exemplo, é classificado como "o poderoso presidente da Câmara que está liderando o esforço pelo impeachment está em julgamento no Supremo Tribunal Federal sob a acusação de que embolsou US$ 40 milhões em propinas". A reportagem também lembra de acusações de corrupção que envolvem outros personagens centrais no processo, como o vice-presidente Michel Temer e Renan Calheiros. 

A reportagem também cita casos de parlamentares que não estão envolvidos diretamente no processo, mas que apoiam a saída de Dilma Rousseff. O NY Times dá como exemplo o deputado Éder Mauro (PSD-PA), que é investigado por tortura e extorsão, e o deputado Beto Mansur (PRB-SP), que é acusado de manter 46 empregados em fazendas de soja em condições deploráveis e comparadas a uma escravidão moderna. 

O texto da reportagem, inclusive, começa com o ex-prefeito paulistano. "Paulo Maluf, um congressista brasileiro, está tão mal pelos próprios escândalos de corrupção que os seus próprios eleitores o descrevem com o slogan 'Rouba, mas faz'. Mas, como uma série de outros membros do Congresso do Brasil atingidos por outros escândalos, o senhor Maluf diz que ele estão tão farto de tanta corrupção no País que apoia a saída da presidente Dilma Rousseff".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.