Nunca vi ninguém ser proibido de viajar no País, critica Dilma

Oposição acusa ministra e Lula de promoverem campanha eleitoral antecipada em encontro de prefeitos

Evandro Fadel, de O Estado de S.Paulo

27 de fevereiro de 2009 | 17h06

 A ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, disse nesta sexta-feira, 27, em Florianópolis, ser "totalmente descabida" a ação de opositores que alegaram ter sido campanha eleitoral antecipada a promoção do Encontro Nacional de Prefeitos, no início do mês, em Brasília. "A avaliação que o governo faz é de absoluto descabimento e que se trata de ação política, tendo em vista uma tentativa de bloquear o governo ou de interditar o governo", afirmou. "Avaliamos que a ausência de projetos de governo da oposição faz com que tente impedir que o governo governe."   Veja também: TSE notifica Lula e Dilma por propaganda antecipada Prefeitos participam de fotomontagem com Lula e Dilma AGU cita Serra em defesa de Lula e Dilma no TSE   Segundo ela, o volume grande de ações, como o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), o Bolsa-Família e a entrega de mais 100 escolas técnicas, incomoda a oposição. "Nós até entendemos que isso incomode, mas não achamos que é do jogo político interditar a ação governamental", declarou. Rousseff afirmou não ter aberto a boca durante o encontro e ter se manifestado apenas num grupo especial que tratava do PAC.   Questionada sobre as viagens que tem feito ao lado do presidente por todo o Brasil, ela não titubeou: "Vou continuar viajando, é da minha função viajar." De acordo com ela, a coordenação do PAC e a coordenação das ações de governo como ministra da Casa Civil exigem os deslocamentos e ela continuará fazendo, inclusive, para fiscalizar as obras. "Não vi interditarem ninguém no Brasil de viajar. Por que só eu?", questionou.   Texto atualizado às 18h20

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.