Cleia Viana/Agência Câmara
Cleia Viana/Agência Câmara

Nunca houve uma proposta tão confusa de reforma eleitoral; leia análise

A personalização na política cresce, e o partido enfraquece

Fernando Guarnieri*, O Estado de S.Paulo

13 de agosto de 2021 | 05h00

Abelardo Barbosa, o Chacrinha, dizia ter vindo para confundir, e não para explicar. Observando o relatório da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 125/2011 da reforma eleitoral, a impressão é de que a intenção da relatora, deputada Renata Abreu (Podemos-SP), seria a mesma. Nunca houve uma proposta tão confusa de reforma eleitoral. 

Propunha-se a combinação do sistema atual com o de voto único não transferível (conhecido como “distritão”) nas eleições para o Legislativo e o voto alternativo nas eleições para o Executivo. Segundo a justificativa da relatora, nosso sistema eleitoral, por conta da representação proporcional de lista aberta, não seria “inteligível ao eleitor médio” (sic). Por que não, então, complicá-lo um pouco mais?

Com a derrota dos principais pontos do projeto, ao fim e ao cabo parece que se tratou apenas de uma finta. Ao colocar esse bode na sala promoveu-se o retorno das coligações nas eleições proporcionais, o que beneficia diretamente partidos pequenos, como o Podemos da relatora. 

A Proposta de Emenda à Constituição ameaçava pulverizar o sistema partidário e, para evitar isso, os partidos “fortes” aceitaram abrir mão de avanços no sentido de diminuir o número de partidos, como a proibição das coligações. Seguiremos o sistema mais fragmentado do mundo, mas evitamos sua atomização.

Passado o susto, o teor do relatório nos alerta para uma tendência em reformas políticas por todo o mundo. O sentimento antissistema tem levado à crescente personalização da política e a um enfraquecimento dos partidos, o que, em uma época que demanda cada vez mais ação coletiva, pode ser um problema.

*CIENTISTA POLÍTICO E PROFESSOR ASSOCIADO DO IESP-UERJ

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.