Número 1 da guerrilha pode ter chefiado seqüestro de Olivetto

O número 1 da Frente Patriótica Manuel Rodrigues (FPMR), Galvarino Sergio Apablaza Guerra, o Comandante Salvador, de 51 anos, deve ter liderado o seqüestro de Washington Olivetto. Uma fotografia achada em um dos imóveis alugados pelo grupo é, por enquanto, a única prova que a polícia tem que liga o chefe terrorista ao seqüestro do publicitário.A Divisão Anti-Seqüestro (Deas) não divulgou ainda essa informação porque esperava confirmar a identidade de Apablaza, por meio de impressões digitais achadas nos imóveis usados pelo grupo ou por meio de testemunhas que possam reconhecê-lo. O diretor da Deas, delegado Wagner Giudice, não quis comentar a possibilidade de Salvador estar envolvido no crime.O Comandante Salvador está acima de Mauricio Hernández Norambuena, o Comandante Ramiro, até então considerado chefe dos seqüestradores e preso com outras cinco pessoas em Serra Negra. A presença de Apablaza no Brasil durante a preparação do crime indicaria que a ação era não só prioritária para a FPMR, mas que o grupo estaria estabelecendo uma base de operações no País.Empresas fantasmasA Deas e a polícia chilena investigam a possibilidade de os terroristas chilenos terem montado empresas fantasmas no Brasil e na Argentina para a lavagem do dinheiro do bando. Confirmada a presença do Comandante Salvador no Brasil, esta seria a primeira vez que se localizou o número 1 da frente em um país diferente de Chile e Cuba, provável refúgio de Apablaza.Além dele, a polícia identificou outro soldado da FPMR. Seu nome é Luis Alberto Moreno Correa, conhecido como Vietnamita ou ET, um chileno de 35 anos. Ele está entre os terroristas mais procurados do Chile e sua fotografia consta da página de procurados da Polícia de Investigações daquele país.No sobrado que serviu de cativeiro para Olivetto, no Brooklin, os peritos criminais encontraram impressões digitais no monitor do computador usado pela quadrilha para vigiar o publicitário. A Deas também recebeu fotos recentes dos seqüestradores foragidos.Além do Comandante Salvador e de Vietnamita, que estão foragidos, a polícia identificou Pablo MuÏoz Hoffman e Raúl Julio Escobar Poblete, o Comandante Emílio, como participantes do crime. Poblete e Hoffman estavam no grupo que fez a falsa blitz policial para capturar Olivetto e levá-lo ao cativeiro em dezembro. Como líder da unidade Maurício Arena Bejar, a força especial da FPMR, Poblete foi o responsável por essa tarefa.IdentificadosAlém de Norambuena e dos outros cinco presos, a polícia já identificou quatro chilenos que estão foragidos e uma brasileira e tem ainda a fotografia de um seqüestrador que usava uma identidade em nome de Miguel Villabela. Pelo menos outras três pessoas participaram do crime, todas mulheres.O publicitário Luis Sales foi convocado pela Deas para tentar reconhecer os seqüestradores de Olivetto, pois os investigadores suspeitam que a frente possa estar por trás do seqüestro do publicitário, feito em 1989. Sales não reconheceu nenhum dos presos ou das fotografias de suspeitos das polícias brasileira e chilena.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.