Núcleo da reforma previdenciária é inegociável, diz Pellegrino

O líder do PT na Câmara, Nelson Pellegrino (BA),disse ao sair da reunião do governo com representantes dos servidores federais, no Ministério do Planejamento, que há espaço para negociar a reforma da Previdência, desde que não se atinjam os dois pontos que formam o núcleo da proposta - unificação dos regimes e redução dos desembolsos do Estado. Ele alertou que cada alteração feita deverá ter uma compensação. Pellegrino observou, por exemplo, que se for ampliado o teto de isenção da contribuição dos inativos, haverá um aumento do subsídio da União à Previdência dos servidores em relação ao que está sendo planejado, e isso exigirá compensação. O líder defendeu a criação de uma regra de transição para o novo sistema e disse que não pode se dar o mesmo tratamento a um servidor com 34 anos de trabalho e a outro com cinco anos. O líder petista disse que o combate a fraudes na Previdência não é alternativa à reforma e que esse combate, que é uma obrigação do governo, que já vem sendo fei to. Segundo Pellegrino, a reforma da Previdência é para o futuro "para garantir o pagamento das aposentadorias agora e nos próximos dez anos".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.