Novos livros trazem balanço negativo da gestão FHC

Dois novos livros, que serão lançados nos próximos dias, vão ajudar a compor a biblioteca em formação que relatará o que foram os oito anos de Fernando Henrique Cardoso no comando do País.Depois de "A Era FHC - Um Balanço Independente", trabalho que envolveu 30 acadêmicos e 18 jornalistas, organizado pelos cientistas políticos Bolívar Lamounier e Rubens Figueiredo, lançado em junho, e que apresenta, de forma geral, um quadro positivo das duas gestões de Fernando Henrique, essas duas novas publicações querem avançam na análise do que não andou bem na gestão do tucano.Em especial, os dois livros são focados na questão do trabalho. O próprio livro organizado por Lamounier e Figueiredo relata que, de 18 áreas avaliadas, apenas duas, Emprego e Segurança, tiveram uma análise negativa.Em "Era FHC - A regressão do trabalho", de autoria do economista Marcio Pochmann e do jornalista Altamiro Borges, a ser lançado no próximo dia 30, foi relatado o que os autores entendem ser "a desastrosa política implementada nos últimos oito anos, que representou atraso nas relações do trabalho".Pochmann, secretário do Desenvolvimento, Trabalho e Solidariedade da Prefeitura de São Paulo, e Borges, editor da revista "Debate Sindical", informam que "o livro pretende confirmar um veredicto dado pela Organização Internacional do Trabalho (OIT), que a testa tal retrocesso, e contribuir à superação do pensamento único neoliberal".Já o livro "Energia da Light à Eletropaulo: desenvolvimento e curto circuito no trabalho", do sociólogo Marcos Lenso de Souza, com o lançamento marcado para o próximo dia 29, mostrará que o modelo de privatização adotado no setor elétrico fez com que milhares de trabalhadores que atuavam nessas empresas estatais perdessem seus empregos.Segundo o autor, a privatização da antiga Eletropaulo, distribuidora paulista de energia, e a reestruturação do processo das empresas privatizadas, resultaram na redução de mais de 10,5 mil postos de trabalho entre janeiro de 1998 e dezembro de 2001.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.