Novos integrantes do Conselho de Comunicação Social tomam posse sob protesto

A polêmica se deu em torno da indicação dos ministros Henrique Eduardo Alves (Turismo) e Aldo Rebelo (Ciência e Tecnologia) para ocuparem vagas destinadas aos representantes da sociedade civil

Isadora Peron , O Estado de S. Paulo

15 de julho de 2015 | 14h51

BRASÍLIA - Sob protesto de entidades da sociedade civil e de parlamentares, os novos integrantes do Conselho de Comunicação Social do Congresso tomaram posse nesta quarta-feira, 15. A polêmica se deu em torno da indicação dos ministros Henrique Eduardo Alves (Turismo) e Aldo Rebelo (Ciência e Tecnologia) para ocuparem vagas destinadas aos representantes da sociedade civil.

Durante a cerimônia, manifestantes seguravam cartazes com críticas à indicação feita pela Câmara dos Deputados, como o que dizia que "a população não está corretamente representada".

Em nota, a Fenaj afirmou que, embora não houvesse impedimento legal, a indicação dos dois ministros era vista com preocupação. “Vemos a indicação de representantes do Estado brasileiro para representar a sociedade civil como uma impropriedade e um equívoco inadmissível na interpretação do conceito de sociedade civil”, diz o texto.

As entidades, juntamente com parlamentares, como a deputada Luiza Erundina (PSB-SP), chegaram a entrar com um mandado de segurança no Supremo Tribunal Federal pedindo a anulação do ato que nomeou os novos integrantes do conselho, mas a demanda não foi atendida pelo Supremo.

Antes da posse, o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), defendeu as indicações. “Foram indicados ministros, mas na vaga da Câmara dos Deputados. Como não há conflito, pelo menos nessa avaliação inicial, nós vamos empossar todos”, afirmou.

Durante a cerimônia, Renan defendeu a importância do conselho para ajudar o Congresso a garantir a “liberdade de expressão”. “ Não daremos guarida a qualquer tentativa de controlar a livre circulação de ideias em nosso País. É nosso dever, e também a minha vocação pessoal, o direito à divergência, do contraditório, e até dos excessos”, afirmou.

O órgão, que tem caráter consultivo, tem como objetivo auxiliar senadores e deputados no debate que envolve assuntos relacionados à comunicação social. O colegiado é composto por 13 membros e 13 suplentes, com representantes da sociedade civil, empresas de comunicação e trabalhadores da área.

Após tomar posse como suplente, Aldo Rebelo se defendeu das criticas e afirmou que foi escolhido para o colegiado não por ser ministro, mas por ser jornalista.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.