Dida Sampaio/AE
Dida Sampaio/AE

Novos casos de nepotismo atingem Fernando Bezerra

Além de irmão e tio, ministro teria empregado pai e tio da sua nora em órgãos do ministério

Vannildo Mendes, de O Estado de S.Paulo

11 de janeiro de 2012 | 09h17

Novas denúncias da prática de nepotismo atingiram o ministro da Integração Nacional, Fernando Bezerra, acusado de aparelhamento político e favorecimento do seu Estado, Pernambuco, na partilha de recursos da Pasta. Além do irmão, Clementino Coelho, que só saiu nesta terça-feria, 10, da presidência da Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e Parnaíba (Codevasf), e do tio, Osvaldo Coelho, membro do comitê de irrigação, conforme noticiou o jornal O Estado de S. Paulo, ele tinha sob seu comando o pai e o tio de sua nora, lotados em cargos de confiança, segundo revelou a 'Folha de S. Paulo'.

Antônio de Pádua Kehrle, pai de Laura Kehrle, mulher do deputado Fernando Coelho Filho (PSB-PE), filho do ministro, ocupava até 30 de dezembro a coordenação estadual do Departamento Nacional de Obras Contra as Secas (Dnocs) em Pernambuco. Ele disse que estava no cargo desde abril de 2010, quando Bezerra ainda não era ministro e pediu exoneração logo após o casamento da filha, mas a substituição demorou "por problemas burocráticos".

Tio de Laura e aliado de Bezerra há mais de vinte anos, Iran Padilha Modesto foi nomeado em maio de 2011 como representante do Ministério da Integração em Pernambuco. Sem tarefas definidas, ele dedica a maior parte do tempo aos interesses do ministro em Petrolina, berço político do clã. Ele não retornou as ligações para comentar a denúncia. As informações são de O Estado de S.Paulo.

Mais conteúdo sobre:
Bezerranepotismo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.