Novo senador é inimigo de Luiz Estevão

O ex-empresário Lindberg Cury (PFL-DF), que assumirá a vaga deixada pelo ex-senador José Roberto Arruda, afirmou nesta quinta-feira que pretende manter as propostas de seu antecessor, menos mexer no painel de votação do Senado.Cury considera uma ironia o fato de que ficará com a vaga de Arruda, que foi um dos maiores defensores da cassação do ex-senador Luiz Estevão."Será um mandato independente, mas darei continuidade a todas as boas propostas, menos mexer no painel", disse o futuro parlamentar, em tom de ironia.A antipatia do novo senador por Luiz Estevão decorre de problemas societários enfrentados pelos dois. Em 1984, o ex-senador ficou sócio de Cury no consórcio Planalto, especialista na marca de automóveis Ford. Luiz Estevão disse nesta quinta que em 1995 saiu do consórcio. "Nós passamos a divergir sobre a maneira de dirigir a empresa", afirmou.A Planalto acabou falindo, conforme assessores de Cury. Segundo essas pessoas, o novo senador atribui a falência do consórcio a Luiz Estevão e considera o ex-senador seu maior inimigo.Em junho do ano passado, Luiz Estevão chegou a ser preso preventivamente a pedido do Ministério Público, que teria se baseado em supostas fraudes cometidas pelo consórcio que pertenceu ao ex-senador.Na ocasião, além de Luiz Estevão, outros três sócios do Planalto foram presos e arrolados como responsáveis por gestão temerária e fraudulenta do negócio.Cury jamais exerceu um cargo eletivo. O único cargo público assumido por ele foi de secretário da Indústria e Comércio do governo do Distrito Federal. Ultimamente, trabalhava no gabinete de Arruda.O novo senador provavelmente deve ter sido uma das primeiras pessoas a ser informada por Arruda sobre a decisão de renunciar ao cargo. O ex-senador deu a notícia para seu sucessor por volta da 1h30 da madrugada desta quinta.Cury tentou uma vaga no Senado algumas vezes, mas nunca conseguiu se eleger. De acordo com pessoas ligadas ao novo senador, ele teria um trato informal com Arruda que não teria sido cumprido pelo ex-parlamentar.A idéia seria Arruda ficar metade do mandato e deixar o restante para Cury.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.