Novo recurso tenta prender acusados de fraudar Saúde

O procurador da República Gustavo Pessanha Velloso recorreuhoje da decisão da 10.ª Vara da Justiça Federal, de pôr em liberdade os envolvidos na quadrilha que fraudava concorrênciasno Ministério da Saúde, presos pela Operação Vampiro, da Polícia Federal. Pessanha baseou o novo pedido de prisãopreventiva contra os acusados nos princípios de "garantia da ordem pública e conveniência de instrução penal".O Ministério Público e a Polícia Federal temem que alguns dos membros da quadrilha fujam do País ou que, pelo seu poderde influência, atrapalhem a obtenção de provas ou mesmo movimentem recursos que no futuro podem servir pararessarcimento ao erário público. Entre os 17 presos há duas semanas, há altos funcionários do Ministério da Saúde, lobistas,empresários e até representantes de multinacionais.A quadrilha é acusada de desviar R$ 2 bilhões mediante fraudes na compra de hemoderivados pelo Ministério. Dos 17integrantes que tiveram prisão temporária, três tiveram a prisão relaxada porque colaboraram com as investigações e 12 foramsoltos porque a Justiça Federal não acatou o pedido de conversão da detenção em prisão preventiva. Apenas dois continuamdetidos.Pessanha também deu parecer favorável ontem à transformação da prisão temporária, de curta duração, em preventiva paraos dois únicos que continuam presos. São eles o empresário Lourenço Rommel Peixoto, elo de ligação da quadrilha com oesquema PC Farias, que atuava na Pasta desde 1992 e Jaisler Jabour de Alvarenga, lobista e representante da Octopharma,integrante do cartel que vendia hemoderivados à Saúde de forma fraudulenta.O único que ficou de fora do novo pedido de prisão foi o lobista Marcos Jorge Chaim. O Ministério Público e a Políciaentenderam que precisam reunir mais provas, pois só descobriram até agora que ele era cúmplice de outro lobista, FranciscoDanúbio Honorato, nas movimentações financeiras da quadrilha. No seu depoimento, Chaim disse à polícia que recebia R$ 7mil mensais de Honorato pelo trabalho.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.