Novo presidente da ANJ destaca importância de jornais regionais

Carlos Lindenberg diz que veículos de médio porte são fundamentais em um País formado por ‘muitos Brasis’

Débora Álvares

20 de agosto de 2012 | 22h30

A Associação Nacional de Jornais (ANJ) elegeu, durante o congresso, como novo presidente, um representante de mídia regional - o diretor-geral da Rede Gazeta do Espírito Santo, Carlos Lindenberg Neto, 46 anos. Ele sucede, para o biênio 2012-2014, a jornalista Judith Brito, da Folha de S. Paulo, que comandou a entidade durante quatro anos.

A cerimônia foi acompanhada por conterrâneos de "Café", como Lindenberg é chamado - o governador capixaba Renato Casagrande (PSB) e o senador Ricardo Ferraço (PMDB). Estiveram presentes à posse o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), o prefeito paulistano Gilberto Kassab (PSD) e o presidente da Câmara dos Deputados, Marco Maia (PT). Representando a Secretaria de Comunicação Social, estava o secretário executivo Roberto Messias.

O novo presidente da ANJ - que atualmente reúne 154 jornais, responsáveis por 90% da circulação diária no País - disse "sentir-se honrado" com a missão de defender a liberdade de imprensa e ressaltou o papel dos jornais regionais, valorizados com sua escolha para o cargo. "Jornais regionais são fundamentais em um país como o nosso, formado por muitos Brasis. E ninguém representa melhor as realidades locais que os jornais regionais", afirmou Lindenberg.

"Vir de um deles e representar os 154 jornais de todo o País filiados à entidade é prova da valorização desses veículos de médio porte que batalham pela informação Brasil afora", completou.

Transparência. No encontro, o governador Alckmin destacou como "dever do Estado" a prestação de contas por meio da transparência de informações: "Temos que usar os meios de informação, as tecnologias, para transparência, para melhorar a qualidade da administração, de forma a evitar abusos".

Os demais presentes destacaram a importância da liberdade de imprensa para a democracia. "A contribuição que a imprensa dá para o nosso trabalho é essencial e insubstituível, seja nas críticas firmes, às vezes bastante duras, nas sugestões e cobranças, enfim, no seu trabalho diário, os jornalistas participam ativamente na definição dos rumos da cidade", disse o prefeito Kassab.

Para Renato Casagrande, a vigilância pela liberdade de imprensa deve ser permanente e a adaptação disso aos novos modelos tecnológicos é a grande questão atual. O deputado Marco Maia destacou a importância dos jornais como "fundamentos para fortalecer a democracia, um instrumento concreto para garantir a liberdade".

Tudo o que sabemos sobre:
ANJCarlos Lindenberg

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.