Novo Nordisk inicia vendas de insulina de ação rápida

O laboratório dinamarquês Novo Nordisk iniciará a comercialização do NovoRapid, um análogo de insulina de absorção ultra-rápida, que entra em ação após 10 minutos da aplicação subcutânea no organismo. A insulina regular leva entre 30 minutos e 40 minutos para agir. O diferencial já é oferecido no Brasil pelo laboratório norte-americano Eli Lilly, que importa e revende há três anos. O termo ?análogo? deve-se à modificação exercida sobre a molécula da insulina regular para se chegar à de ação ultra-rápida. Segundo o diretor-médico do Novo Nordisk para a América Latina, José Machado de Assis Moura, o laboratório pesquisou e desenvolveu a mudança de um aminoácido na estrutura da molécula, fazendo com que ela entre em atividade com maior rapidez. "A vantagem para o paciente diabético é que acaba o problema da imprevisibilidade sobre certos horários, como o das refeições", disse o especialista. De acordo com o diretor, devido à agitação do dia-a-dia, tanto adultos quanto crianças têm certa dificuldade para prever o horário das refeições. "A insulina comum exige um período muito maior para entrar em ação. Enquanto a de atividade rápida pode ser injetada um pouco antes ou depois da refeição", detalhou. Chegada O primeiro lote da NovoRapid (insulina Aspart), importado da única fábrica do produto do Novo Nordisk no mundo, instalada na Dinamarca, já está no Brasil. Nos próximos dias, será realizada a distribuição, para que as vendas no varejo sejam iniciadas a partir de 1º de junho. A insulina ultra-rápida pode ser aplicada com o NovoPen 3 ou com o Innovo, aparelhos desenvolvidos pelo Novo Nordisk especialmente para essa finalidade. O tratamento da diabetes exige maior ou menor dose de insulina, conforme o tipo de paciente atingido. Mas o médico calcula que a maioria dos pacientes poderão fazer o tratamento mensal ao custo máximo de R$ 110, preço da caixa com cinco refis de três mililitros cada um. O tratamento com insulina regular (comum) sai por R$ 70 mensais. O preço de fábrica da NovoRapid é de R$ 79,96, enquanto a insulina normal sai por R$ 50,69, para o tratamento durante um mês. José Moura informou que o Ministério da Saúde não mostrou interesse no produto. Tanto o Novo Nordisk quanto o Eli Lilly, além do Aventis, concorrem em licitações públicas para a venda de insulina ao Ministério da Saúde, que é distribuída gratuitamente à população por meio do Sistema Único de Saúde (SUS). LocalO diretor médico não soube informar se o produto poderá ser fabricado nas instalações da Biobrás, em Minas Gerais, adquirida em dezembro passado pelo Novo Nordisk. Ele apenas lembrou que o negócio foi congelado pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) e, por enquanto, nenhuma atitude inovadora poderá ser tomada pelo novo proprietário dinamarquês. A insulina produzida pelo Biobrás usa processos mais antigos do que a sintetizada pelo Novo Nordisk. Já a do tipo ultra-rápida exigiria investimentos em uma divisão produtiva à parte da fabricante de insulina regular. Leia mais sobre Química e Petroquímica no AE Setorial, o serviço da Agência Estado voltado para o segmento empresarial.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.