Andre Dusek/AE - 02/02/2012
Andre Dusek/AE - 02/02/2012

Novo ministro quer obrigar empresas a pagarem exame de próstata

Essa é uma das propostas inusitadas apresentadas por Aguinaldo Ribeiro, recém-indicado titular das Cidades, durante o exercício de seu primeiro mandato como deputado federal

Eduardo Bresciani, do estadão.com.br

03 de fevereiro de 2012 | 19h41

BRASÍLIA - A distribuição pelo governo federal de protetor solar para professores de áreas como educação física e práticas agrícolas e a obrigação de empresas de pagar exames de próstata para seus funcionários estão entre as preocupações legislativas de Aguinaldo Ribeiro (PP-PB) em seu primeiro mandato na Câmara dos Deputados. Ele se licenciará do cargo para comandar agora o Ministério das Cidades.

 

Em doze meses na Câmara, Ribeiro apresentou 62 projetos de lei. Em diversos deles visa ampliar direitos de grupos como pessoas com deficiência, idosos e obesos. Na busca por direitos, ele propôs até que o governo federal, por meio do programa Farmácia Popular, distribua gratuitamente protetor solar, com fator mínimo de 15, para professores que trabalhem em ambiente aberto.

 

"Infelizmente o produto protetor solar, em nosso país, ainda é considerado como cosmético, recebendo uma carga elevada de impostos, tornando seu preço ainda mais inacessível para a maioria destes educadores, que, como é sabido, percebem pequenos salários em todos os níveis", justifica.

 

Em relação ao exame de próstata, o novo ministro defende que as empresas paguem o procedimento para todo empregado com 40 anos ou mais. Ele não explica na justificativa porque caberia ao patrão arcar com o custo. Destaca apenas que o este tipo de doença é o segundo câncer mais comum entre os homens. "Apesar de estarmos no século XXI, ainda há preconceito contra o exame de próstata", argumenta.

 

Ribeiro tem ainda uma preocupação com a construção de templos religiosos. Proposta dele dá isenção de Cofins para entidades religiosas erguerem suas sedes ou templos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.