Novo ministro da Agricultura se diz inocente de ação no STF

O novo ministro da Agricultura, deputado Odílio Balbinotti, disse nesta quinta-feira, 15, que "não se sente desconfortável" com as denúncias contra ele que resultaram em um processo no Supremo Tribunal Federal (STF) por falsidade ideológica. "Se eu tivesse culpa, causaria (desconforto), mas eu sou inocente e o Aristides Junqueira, meu advogado, vai dar uma nota a vocês explicando que sou inocente", afirmou. Sobre a conversa com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva no Palácio, ele disse que não tratou do assunto, apenas dos objetivos do governo na pasta.Na nota, o advogado do novo ministro afirma que: "Os fatos em apuração referem-se a suposto crime que teria ocorrido em 1996 e que está relacionado com a atividade de produtor rural do sr. Odílio Balbinotti. Todavia, tal fato ocorreu quando ele já era deputado federal e não mais administrava sua empresa rural, pois, desde seu primeiro mandato como deputado, nomeou procuradores para gerirem seus negócios." Ainda de acordo com o documento, Balbinotti já prestou esclarecimentos à Polícia Federal e aguarda "com tranqüilidade o resultado das apurações, sempre com o maior respeito ao Supremo Tribunal Federal, ao Ministério Público Federal e à Polícia Federal, cujo critério de Justiça é inquestionável. A nota conclui afirmando que são apenas essas as informações possíveis a respeito do assunto, já que o inquérito no STF corre sob segredo de Justiça, e que os dados são confidenciais "para afastar quaisquer prejuízos à investigação." Acusação O processo de Balbinotti teve origem a partir de um inquérito instaurado pela Polícia Civil de Alto Garças (MT), uma das cidades na qual sua empresa centraliza os negócios de produção de sementes. O Ministério Público Estadual do Mato Grosso informou que, por ser deputado, ele tem prerrogativa de ser julgado pelo STF e que, por isso, o processo sequer passou pela análise da procuradoria estadual. Já o Ministério Público Federal do Mato Grosso informou que o processo corre em segredo de justiça e que não poderiam ser dadas informações sobre o assunto. Sem mais comentáriosDiante da insistência dos repórteres se conversou com Lula sobre o processo, Balbinotti desconversou: "Não precisa (falar sobre o processo). Isso é fácil, é só puxar na internet. Eu estou expressando tranqüilidade a vocês eu estou expressando tranqüilidade à Nação. Eu estou tranqüilo, a Nação está tranqüila e nós vamos trabalhar em benefício do pequeno, do médio e do grande agricultor". Em seguida, comentou que "é importante" que a imprensa pergunte sobre os processos. "É importante que o País saiba, mas o presidente não está preocupado porque, a partir do momento que me chamou para ser ministro da agricultura, ele já estava consciente de que o Balbinotti é correto e transparente", completou. Demora na posseSobre a demora na sua posse, Balbinotti justificou: "O atual ministro está viajando para a Indonésia e só volta semana que vem. Além do mais, já fui confirmado. Está aqui o presidente do PMDB e o líder do partido, que já confirmou o nosso nome. A posse vai ser na quinta-feira porque o atual ministro está em viagem e não fica bem nós assumirmos o ministério com o atual ministro viajando para o exterior". A ministra chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, por sua vez, disse que as nomeações ainda estão sendo estudadas pelo presidente Lula, que tem seu próprio timing, acentuando que "uma parte pode se prolongar pra semana que vem". Sobre as acusações contra Balbinotti, a ministra desconversou: "nós olharemos esta questão, o presidente vai analisar e, como eu disse, está tudo em aberto ainda". Ela disse ainda que "não tem avaliação" sobre as denúncias e que acredita que uma definição em relação ao Ministério da Agricultura "tenha ficado para a semana que vem porque o ministro atual está fora do Brasil". "Nós estamos em avaliação. As coisas vão evoluir. Uma parte do ministério sai amanhã, mas ainda teremos uma série de reuniões ao longo do dia. As discussões estão em andamento", avisou, sinalizando que semana que vem o ministério deve estar fechado.Texto ampliado às 22h06

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.