Novo ministro ainda cogita hipótese de intervir no ES

O novo ministro da Justiça, Paulo de Tarso Ramos Ribeiro, disse hoje, logo após assumir o cargo, que "ainda pode ser cogitada" uma intervenção federal no Espírito Santo. "Não se trata de ser a favor ou contra a intervenção, e sim de se verificar se existem condições para isso ou não". Segundo o novo ministro, é certo que, no curto prazo, será reforçada no Estado a atuação da Polícia Federal, inclusive nas ações de inteligência necessárias a um "combate inclemente" contra o crime organizado. Ramos Ribeiro assumiu o Ministério da Justiça em substituição a Miguel Reale Júnior, que se demitiu por considerar-se "desautorizado" pelo presidente da República quando o procurador-geral da República, Geraldo Brindeiro, anunciou que, por decisão de Fernando Henrique Cardoso, não mais enviaria ao Supremo Tribunal Federal pedido de intervenção no Espírito Santo para combater o crime organizado. O novo ministro anunciou que fará "uma cruzada" contra a violência durante o curto período em que ficará no cargo. "Meu compromisso é o de não ficar refém do crime organizado. Este não é o meu perfil, e quem me conhece sabe disso", declarou Ramos Ribeiro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.