Novo mínimo não é o ideal, mas é o que o governo pode fazer, diz Dirceu

O ministro José Dirceu, chefe da Casa Civil, disse hoje que se sente "em casa e totalmente à vontade" em participar das comemorações do Dia do Trabalho, no evento promovido pela Central Única dos Trabalhadores (CUT), na Avenida Paulista. "Ajudei a construir o PT e a CUT, faço parte da história da CUT", afirmou.Para Dirceu, o novo valor do salário mínimo não é o ideal. "Sou totalmente consciente de que o salário mínimo não é aquilo de que o país precisa, que o trabalhador precisa, mas é o que o país pode fazer porque o salário mínimo está vinculado à Previdência, que tem um déficit de R$ 30 bilhões", explicou.Segundo o ministro, um salário mínimo de R$ 300, R$ 291 ou US$ 100, "significaria R$ 12 bilhões para o governo. Para manter os investimentos, o governo optou por um aumento de 5% real e um aumento do salário-família".José Dirceu destacou a necessidade de o país crescer. "Vamos ter que insistir e criar condições para o crescimento econômico. Nós estamos aumentando os investimentos, baixando juros, aprovando leis no Congresso e vamos crescer. O país crescendo, nós vamos diminuir o desemprego". Ele acha que já foi feito muito em apenas um ano e meio de governo. As informações são da Agência Brasil.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.