Novo linhão de Itaipu não aumenta oferta de imediato

A antecipação de junho para abril ou maioda conclusão do terceiro linhão de Itaipu - anunciada por Furnascomo uma medida de reforço na transmissão de energia para oSudeste - não significará de imediato aumento de oferta naregião.Nesta quarta-feira, o presidente do Operador Nacional do SistemaElétrico (ONS), Mário Santos, explicou que o aproveitamento daenergia desta linha depende de um conserto na subestação deTijuco Preto, em São Paulo, que só deve ficar pronto em julho.Oterceiro linhão terá capacidade para mais 400 megawatts deenergia. Santos reuniu-se, no Rio, com sete secretários deenergia, a pedido dos governos estaduais, que temem uma quedabrusca de arrecadação em caso de racionamento de energia.Eleexpôs com detalhes os problemas que estão levando a este risco.Participaram os secretários do Rio, Minas Gerais, Espírito Santo, Tocantins, Mato Grosso, Bahia e Goiás, que redigiram umdocumento para ser enviado ao ministro das Minas e Energia, JoséJorge, e ao presidente da Agência Nacional de Energia Elétrica,José Mário Abdo. Eles alegam que "qualquer mecanismo que venha a serimplantado no tocante a um possível racionamento deve serpreviamente apresentado e discutido com os governos estaduais,buscando evitar e mitigar impactos contrários ao desenvolvimentodas políticas regionais".O presidente do ONS disse que esperaque o nível de chuva em abril seja suficiente para afastar orisco de racionamento.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.