Dida Sampaio|Estadão
Dida Sampaio|Estadão

Novo líder do PT na Câmara defende eleições diretas

Carlos Zarattini diz que governo não consegue manter diálogo com base aliada que só diminui

Daiene Cardoso, O Estado de S.Paulo

15 de dezembro de 2016 | 19h04

BRASÍLIA - Eleito novo líder da bancada do PT na Câmara, o deputado Carlos Zarattini (SP) defendeu nesta quinta-feira, 15, a aprovação de uma emenda constitucional para eleições diretas. No pacote de críticas ao Palácio do Planalto, o parlamentar destacou que a base aliada do governo do presidente Michel Temer vem sendo reduzida. O petista acrescentou que o governo Temer, apesar de começar com a articulação política como ponto forte, hoje não consegue mais manter o mesmo nível de diálogo com sua base, o que leva a crise econômica e política a se agravar a cada dia.

Zarattini foi eleito por aclamação hoje após acordo com Paulo Pimenta (RS), que será o líder da bancada em 2018. O petista reiterou que a orientação do partido é de clara oposição ao governo, principalmente contra a reforma da Previdência e mudanças nas leis trabalhistas. "Não vamos ser nem conciliador, nem radical", resumiu.

Para Zarattini, a decisão do ministro Luiz Fux de devolver à Câmara o pacote das medidas anticorrupção foi equivocada porque a Constituição prevê que os "representantes do povo" façam alterações em projetos de iniciativa popular. "Está profundamente equivocado o ministro Fux", afirmou.

A bancada, com 58 deputados, ainda não definiu qual candidatura apoiará na sucessão interna da Câmara, mas não descarta a possibilidade de lançar um nome do bloco da minoria para marcar posição, já que as chances de vitória são pequenas. Zarattini enfatizou que a prioridade do partido é buscar espaço na Mesa Diretora, já que tem a segunda maior bancada e pode pleitear uma vaga no comando da Casa. "Vamos ter uma política ampla de conversar com todo mundo, mas não sabemos como vamos chegar lá", afirmou. O tema será discutido a partir da próxima semana com o bloco de oposição.

Economia. Zarattini afirmou que vai avaliar cada uma das medidas anunciadas nesta quinta pelo governo e, o que for insuficiente, a oposição vai tentar melhorá-las. "É um governo que está sem rumo na economia e a economia afundando cada vez mais", comentou.

Zarattini criticou ainda a política de restrição de gastos, disse que programas como Minha Casa Minha Vida estão sendo reduzidos "violentamente" e que as medidas adotadas não dão perspectivas positivas. "Até agora não vi nenhuma proposta econômica significativa. A questão dos juros continua alto, a política monetária é restritiva. Apesar da inflação ter caído, os juros se mantêm no mesmo nível", completou. O petista também criticou o uso do FGTS para pagamento de dívida e afirmou que, além de ser um recurso reduzido, também houve diminuição no uso do fundo para programas habitacionais.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.