Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

Novo líder do governo no Senado foi citado na Lava Jato

Dilma escolhe o petista Delcídio Amaral (MS) para o posto, depois de ver frustrado plano de indicar integrante da bancada do PMDB

Ricardo Britto, O Estado de S.Paulo

28 Abril 2015 | 10h42

Atualizado às 15h00 para correção de edição 


BRASILIA - O senador Delcidio Amaral (PT-MS) foi confirmado nesta terça-feira, 28, pela presidente Dilma Rousseff como novo líder do governo do Senado. O nome do parlamentar foi citado no curso das investigações da Operação Lava Jato, mas ele não foi incluído nos pedidos de inquérito do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, enviados em março ao Supremo Tribunal Federal.

Dilma optou pelo senador petista após ver frustradas as tentativas de manter o cargo - vago desde o início do segundo mandato - com um peemedebista. O último líder do governo na Casa foi o hoje ministro de Minas e Energia, Eduardo Braga (AM), que havia sucedido a Romero Jucá (RR), ambos do PMDB. Delcídio acabou escolhido para a função por ter bom relacionamento com a bancada peemedebista no Senado.

Em delação premiada, o ex-diretor de Abastecimento da Petrobrás Paulo Roberto Costa afirmou ter ouvido dizer que, quando o senador era diretor de Gás e Energia da estatal, entre 2000 e 2002 (gestão Fernando Henrique Cardoso), Delcídio teria recebido valores supostamente ilícitos da empresa francesa Alstom. O parlamentar nega as acusações.


" STYLE="FLOAT: LEFT; MARGIN: 10PX 10PX 10PX 0PX;



Em parecer enviado ao STF em março, Janot considerou como "muito vagas" as declarações de Costa e recomendou não dar prosseguimento a uma investigação formal contra o petista. O ministro Teori Zavascki, relator da Lava Jato no Supremo, concordou com a posição do Ministério Público de arquivar as apurações contra Delcídio. 


Alvo de inquérito da Lava Jato no Supremo, o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), criticou Janot por não ter incluído o petista na lista de investigados.


Em março de 2014, logo após a deflagração da operação da PF, Delcídio e o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), envolveram-se numa troca de acusações pública sobre a indicação do ex-diretor da Área Internacional Nestor Cerveró, atualmente preso.


Em tom de ironia, Renan disse que Delcídio não indicou Cerveró para "roubar a Petrobrás". Delcídio rebateu o peemedebista, atribuindo a ele o apadrinhamento de Cerveró.


O ex-diretor está no centro da polêmica em torno da compra da refinaria de Pasadena (EUA). Foi ele o responsável pelo parecer considerado pela presidente Dilma Rousseff tecnicamente falho, em nota enviada ao Estado. 


O Tribunal de Contas da União apontou um prejuízo de U$S 792 milhões na compra da refinaria, mas não incluiu Dilma, presidente do conselho de administração da estatal na época da operação, entre as responsáveis pela transação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.