Mauro Pimentel/AFP
Mauro Pimentel/AFP

Novo governo quer diminuir regalias como voo da FAB

Sugestão é que futuros ministros não usem aviões especialmente em deslocamentos nos fins de semana

Breno Pires e Leonencio Nossa, O Estado de S.Paulo

28 de dezembro de 2018 | 07h25

A equipe do presidente eleito, Jair Bolsonaro, discute um pacote de medidas de corte de benefícios a ministros para ser apresentado nas primeiras semanas de 2019. Entre as propostas que o grupo considera de forte apelo popular estão a redução do uso do cartão corporativo e de aeronaves da Força Aérea Brasileira. Em conversas no governo de transição, aliados de Bolsonaro citam escândalos nos governos anteriores envolvendo cartões e viagens a lazer em aviões da FAB.

Em entrevista ontem no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB), o futuro ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, disse que, por enquanto, há apenas uma recomendação para que os integrantes do primeiro escalão evitem “regalias”. A sugestão é que os futuros ministros não usem os aviões da FAB especialmente em deslocamentos nos fins de semana a cidades onde possuem residência.

“É um pacto que estamos fazendo para reduzir drasticamente o uso das aeronaves da FAB”, disse. “Todos nós vamos seguir o exemplo do presidente Jair Bolsonaro e andar em avião de carreira, a não ser que seja imprescindível”, afirmou.

Onyx se referiu ao período de campanha, quando Bolsonaro viajou apenas em voos comerciais. Depois das eleições, o presidente eleito, por recomendação da segurança, só viaja em aviões da FAB.

A equipe de transição ainda avalia se pretende acabar com cartões corporativos ou restringir seu uso. O futuro ministro da Casa Civil disse que as mudanças serão feitas com “critérios”, com base em consultas à Advocacia-Geral da União e à Controladoria-Geral.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.