Magalhães Jr./Photopress
Magalhães Jr./Photopress

Novo governador do Rio promete combater a corrupção

Wilson Witzel tomou posse na capital fluminense e disse que tratará traficantes como terroristas

Daniela Amorim, O Estado de S.Paulo

01 de janeiro de 2019 | 10h42

RIO - O governador eleito pelo Rio de Janeiro, Wilson Witzel, tomou posse em cerimônia no Palácio Tiradentes, sede da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro, na manhã desta terça-feira. 

Em seu discurso, Witzel invocou a benção de Deus e relembrou algumas promessas de campanha, como o combate à violência urbana e à corrupção.

"Temos compromisso de não deixar apagar essa chama de esperança de dias melhores para o nosso Estado", discursou. "É chegada a hora de libertar o estado da corrupção que marcou as duas últimas décadas da política no estado."

Witzel se emocionou ao agradecer o apoio da mulher, agradeceu o apoio de partidos como o PSL, prometeu tratar traficantes de drogas como narcoterroristas, mas defendeu também prender quem comanda o crime organizado e lavagem de dinheiro. 

"Não vamos decepcionar o povo do estado do Rio de Janeiro", afirmou.

Participaram da solenidade o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, e o prefeito da capital fluminense, Marcelo Crivella.  

Prioridade será enfrentar déficit de R$ 8 bi e combater sonegação

O novo governador se reúne amanhã, quarta-feira, com seu secretariado para discutir as primeiras ações à frente do estado. No dia 12, sábado, haverá novo encontro “mais aprofundado”, que resultará na divulgação do plano de governo.

“A questão orçamentária é a mais urgente para nós. Estive reunido com o secretário da Fazenda e fiquei feliz em saber que é possível enfrentar esse déficit de R$ 8 bilhões”, ressaltou Witzel a jornalistas, ao fim da cerimônia.

De acordo com ele, a prioridade será combater a sonegação e melhorar o desempenho da arrecadação. Questionado sobre uma possível elevação da carga tributária, Witzel defendeu que não é possível falar em aumento de impostos antes de ter uma estrutura organizada para cobrar devedores - caso contrário, os bons pagadores seriam sobrecarregados.

Como primeira medida no combate à violência, Witzel anunciou que o governo fluminense estava promovendo a abertura do banco de dados de criminosos procurados pela justiça para empresas que tenham sistema de câmeras de reconhecimento facial. O governador defendeu que sua gestão investiria no combate ao crime organizado e à lavagem de dinheiro, mas também focaria na redução do índice de homicídios, especialmente nas áreas com maior ocorrência.

Witzel disse ainda que, como representante do poder Executivo, não interferiria na eleição do próximo presidente da Alerj nem do Tribunal de Justiça. “Tenho ótimo relacionamento com todos os deputados. E temos certeza de que teremos um ótimo relacionamento com a Alerj”, completou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.