Novo governador do DF pode deixar cargo em abril, diz aliado

Alberto Fraga (DEM-DF) disse que o próprio Wilson Lima tocou no assunto durante reunião com o secretariado

Rafael Moraes Moura, da Agência Estado,

24 de fevereiro de 2010 | 12h09

Reunião do governador em exercício Wilson Lima com o secretariado do Distrito Federal

 

BRASÍLIA - O novo governador em exercício do Distrito Federal, Wilson Lima (PR), poderá deixar o cargo em abril como forma de se desincompatibilizar para disputar nas eleições de outubro um novo mandato para a Câmara Distrital. Ao dar a informação, o secretário de Transportes, Alberto Fraga (DEM-DF), disse que foi o próprio Wilson Lima que tocou no assunto durante a reunião com o secretariado encerrada no fim da manhã desta quarta-feira, 24. O secretário de Comunicação do DF, André Duda, procurou minimizar a informação de Fraga. "Não existe essa polêmica", disse Duda.

 

Veja também:

linkPetista pede colaboração com novo governador do DF

linkDEM-DF se antecipa e dissolve diretório regional

lista Íntegra da carta de renúncia de Paulo Octávio

blog BOSCO: Intervenção federal não soa tão remota

especialEntenda a operação Caixa de Pandora

 

Fraga também informou que esteve na última terça-feira, 23, com o governador licenciado José Roberto Arruda, preso desde o dia 11 de fevereiro na Superintendência da Polícia Federal, em Brasília. "De acordo com Arruda, está descartada a hipótese de renúncia. Não saiu da boca dele em momento algum. Ele disse que vai até o fim (do governo)", afirmou Fraga. O encontro entre Arruda e Fraga durou cerca de quarenta minutos, conforme o relato do secretário que criticou a possibilidade de intervenção federal no Distrito Federal. "É uma tentativa de golpe", declarou.

 

Caso Arruda decida renunciar, ele perde o benefício da prisão especial, sendo trasferido de uma sala particular na Superintendência da PF para uma cela na Penitenciária da Papuda.

 

Na reunião com o secretariado, ocorrida no Centro de Administrativo Buritinga, localizado na cidade satélite de Taguatinga, o governador Wilson Lima pediu colaboração para manter o governo funcionando. Solicitou que os secretários fizessem relatórios de cada pasta, acrescentou que pretende fazer uma transição tranquila e considerou inoportuna uma possível intervenção no DF. "Desejo manter durante esta interinidade a normalidade das ações administrativas e do caráter institucional e democrático do governo", afirmou Lima.

 

O apelo foi atendido também pelo legilativo local, onde o vice-presidente da Câmara Legislativa, o oposicionista Cabo Patrício (PT), defendeu a união dos deputados distritais em torno do governo de Wilson Lima. Com o afastamento de Wilson Lima, Patrício passa a ocupar o cargo de presidente da Casa interinamente.

 

Suplente suspeito

 

O suplente indicado pelo novo governador interino, Wilson Lima, para substituí-lo na Câmara Distrital é citado no inquérito da Operação Caixa de Pandora, da Polícia Federal, que investiga o esquema de corrupção conhecido como "Mensalão do DEM". Pedro Marcos Dias, o Pedro do Ovo (PRP), é acusado de receber propina em troca de apoio político ao governador José Roberto Arruda (sem partido) e foi um dos alvos dos mandados de busca e apreensão expedidos pelo STJ (Superior Tribunal de Justiça).

 

Presidente da Câmara Legislativa e aliado de Arruda, Wilson Lima entregou nesta terça-feira, 23, o ofício à Mesa Diretora da Câmara anunciando seu afastamento da Casa para assumir o governo do Distrito Federal após a renúncia do governador interino, Paulo Octávio (sem partido). Ele transmitiu o cargo a Lima nesta quarta-feira, 24, durante um encontro na residência oficial do vice-governador, no Lago Sul, em Brasília.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.